sexta-feira, 27 de novembro de 2009

TRISTEZA


FOTO: Aparecido Donizetti Hernandez
TRISTEZA

Virgínia Victorino

Nos dias de tristeza, quando alguém
Nos pergunta, baixinho, o que é que temos,
Às vezes, nem sequer nós respondemos:
Faz-nos mal a pergunta, em vez de bem.

Nos dias dolorosos e supremos,
Sabe-se lá donde a tristeza vem?!...
Calamo-nos. Pedimos que ninguém
Pergunte pelo mal de que sofremos...

Mas, quem é livre de contradições?!
Quem pode ler em nossos
corações?!...
Ó mistério, que em toda parte existes...

Pois, haverá
desgosto mais profundo
Do que este de não se ter alguém no mundo
Que nos
pergunte por que estamos tristes?!
http:marcaspoeticas.ning.com/

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

POETAS DEL MUNDO EM SÃO PAULO

Hospede inúmeras fotos no slide.com GRÁTIS!
I ENCONTRO DOS POETAS DEL MUNDO DO ESTADO DE SÃO PAULO
Casa das Rosas - 21 de novembro de 2009
Pela primeira vez, o estado de São Paulo, reuniu Poetas Del Mundo, em um dos mais nobres espaços culturais, do País, a Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura.

Tendo como Embaixadora para o Brasil e Sub-Secretária para as Américas dos Poetas Del Mundo, a advogada Delasnieve Daspet na linha de frente, o encontro anual dos integrantes do Movimento Poetas Del Mundo, tornou-se evento tradicional no Brasil, e se dá em todos os estados brasileiros, há quatro anos, sendo praticado nos 119 (cento e dezenove) Países associados ao Movimento.

Chegando de Santiago do Chile, o evento paulista, contou com a presença de Luis Arias Manzo, premiadíssimo poeta, escritor e Fundador do Movimento Poetas Del Mundo, onde falou dos ideais do movimento e sobre as atividades da entidade no mundo.


Outra figura de destaque internacional, a apresentadora de televisão Lusophonie TV, Produtora, jornalista e apresentadora do programa ALÔ, BRASIL! Na Rádio Francesa Arc en Ciel de Orléans, Diva Pavesi. A brasileira, que no movimento poetas Del mundo é embaixadora na França, versou sobre o tema: O ano da França no Brasil.
O Itapeviense Aparecido Donizetti Hernandez esteve presente ao evento do início ao fim, ressaltando que o manifesto de Poetas Del Mundo, elaborado no encontro paulista é riquíssimo e contundente pela Paz Mundial e pelos direitos e dignidade humana.


Muito além de um encontro, reunindo importantes nomes da poesia e da literatura, que integram o Movimento Poetas Del Mundo, o evento teve o intuito de promover ações que possam despertar a atenção do mercado editorial, buscando respostas que vão desde “o saber porque” da poesia não representar um produto comercial interessante, até os bastidores da mídia, que pouco se interessam em divulgar poetas e poesias.

Organizado pela jornalista, e Cônsul dos Poetas Del Mundo de São Paulo, Elizabeth Misciasci e secundada pela Cônsul Poetas Del Mundo Bela Vista SP, Dora Dimolitsas, o evento contou ainda com as presenças em debates, de literatos, jornalistas, editores e educadores

O Movimento Poetas Del Mundo, é, sobretudo, o encontro dos povos pela palavra e com a palavra de poetas do mundo, que unidos num mesmo propósito, buscam através da arte poética, clamar e proclamar em defesa da humanidade e da vida no planeta.

O movimento nasceu em 2005, em Santiago, Chile, pelas mãos do escritor e poeta Luis Arias Manzo com o propósito maior de agregar esforços e talentos na inquietude do trabalho contínuo, para a Paz e pela Paz mundial.

Presente hoje em (cento e dezenove) 119 Países, o movimento conta com embaixadores nos países membros, cônsules nos estados e municípios e associados, que somam mais de seis mil integrantes. Seu manifesto universal é um vigoroso apelo em favor da vida e pela união entre os povos.




Casa das Rosas-Av.Paulista, 37 -São Paulo-SP-Foto:Aparecido Donizetti Hernandez

domingo, 22 de novembro de 2009

I ENCONTRO DOS POETAS DEL MUNDO DO ESTADO DE SÃO PAULO

I ENCONTRO DOS POETAS DEL MUNDO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Foto: Aparecido Donizetti Hernandez
21 de novembro de 2009
Casas das Rosas
Av. Paulista nº 37 -São Paulo-SP
Uma das ultimas mansões preservadas Projeta por Ramos de Azevedo.


MANIFESTO UNIVERSAL DOS POETAS DO MUNDO



Poetas do Mundo, é chegada a hora exata para unir nossas forças na defesa da continuação da vida: somos guerreiros da paz e mensageiros dessa nova história para da humanidade. Somos os poetas da luz – veículo que nos conduz para levar o chamado de alerta de que não podemos nos furtar. Atravessamos a morte de um período degenerado das eras, e assistiremos o nascimento de uma NOVA ERA – para a qual, nós, os poetas, recebemos nossos dons, nossas missões e obrigações. A humanidade vive momentos decisivos de luta pela sobrevivência, mas ainda não acordou para o fato de estar caminhando rumo a um precipício, direto para a extinção. Urge que tomemos o leme e mudemos o caminho para a elevação coletiva, para que recuperemos o patrimônio da vida como dom universal e direito de todos. Desde os mais remotos tempos que o homem pode recordar, é sabido que a existência humana depara-se com os desafios de viver e progredir, enfrentados com escolhas que trouxeram e trazem a degradação do ambiente natural. O homem fez disso um confronto, uma batalha e apenas se preocupou em vencer, como qualquer mercenário numa guerra, a qualquer preço, apenas assegurando para si a sobrevivência momentânea – sem pensar nos prejuízos que seriam deixados às gerações futuras, nem sequer nas conseqüências em curto prazo. E assim tem sido, a satisfação instantânea da necessidade de sobrevivência ou da ganância do homem tem gerado e lançado sobre todos, homens e mulheres, as mais terríveis catástrofes. O homem em seu afã de ser mais, de crescer e crescer sempre e desmedidamente, degrada o planeta até os limites da exaustão dos recursos naturais conhecidos, leva à extinção até o que nem chegamos a conhecer – num jogo de ambição que coloca em risco a existência do próprio homem como espécie. Por este querer sempre MAIS, a humanidade não só esgota as riquezas materiais do planeta, como também os bens humanos, transformando um a um em desesperado e criminoso, a ponto de nos matarmos uns aos outros para sobreviver, ou para alcançar ascensão e glória... Ou simplesmente para dizer: SOU, e SOU MAIS que você... Assim como exaurimos o planeta dia após dia, consumindo os recursos naturais e humanos, ainda somos capazes de construir armas de destruição em massa, que podem levar ao extermínio da humanidade em poucas horas. Isso tudo num cenário em que a supremacia e o poder concentram-se sempre nas mesmas mãos, dos mesmos impérios, que não são capazes de sequer olhar pelos semelhantes que morrem na miséria, apesar de atingirem a riqueza absoluta. Se os Homens e Mulheres não mudarem de rumo, E AGORA, as próximas gerações terão sólidas razões para nos odiar. E é nossa esperança de que isso é possível, porque o caos moral, político [guerras infames], econômico [o ser humano transformado em bem, escravizado pelo dinheiro], tudo isso é manifestação do “PARTO DA HISTÓRIA” – assim como uma mulher quando dá a luz a um bebê tem em si muitas dores; a história mesma anuncia o nascimento de uma NOVA ERA.
1 – Diante desta azáfama pelo domínio absoluto, que nos levará inevitavelmente à autodestruição [se não for impedida]; diante de tamanha barbárie, muitos já acordaram no susto quanto ao destino cruel que a humanidade constrói para si mesmo. Ao tempo que outros abrem os olhos à luz da anunciação dos novos tempos, de que os Poetas do Mundo são também portadores e empreenderão por isso e para isso o caminho do protesto; e da construção de um novo amanhecer, do raiar da libertação definitiva do homem.

2 – Os Poetas do Mundo, não todos, somente os Poetas do Mundo – porque não são todos os poetas do mundo que estão dispostos a dizer: não sou, SOMOS. Nós, os que estamos dispostos a abandonar o ego que nos mata; nós que somos capazes de olhar com IGUALDADE, iniciamos a cavalgada coletiva através do mundo e colocamos a arte da Poesia a serviço da humanidade.

3 – Ser poeta não significa simplesmente escrever bonitas poesias, a POESIA não é mero objeto de decoração. Temos que VIVÊ-LA e vivê-la não significa somente senti-la, temos que praticá-la. E praticá-la é a missão, a obrigação e a competência de todos os dias para os Poetas do Mundo.

4 – Ser Poeta do Mundo é um desafio maior. Ser Poeta do Mundo é assumir este manifesto por essência; é avocar a defesa da vida, do amor, da diversidade, da liberdade. E ser capaz de bradar: dou minha vida para a VIDA, pois amo minha vida. Por isso dizemos BASTA de estupidez, BASTA de egos; que não contribuem para crescimento coletivo, nem pessoal. Nossa arte nasce a serviço da preservação da humanidade.

5 – Ser Poeta do Mundo é atravessar os meandros da natureza humana, em busca da perfeição e do crescimento lícito da vida, cada um buscando o máximo de suas capacidades e possibilidades. E é por isso que não seremos passivos diante dos crimes que se cometem diariamente sob discursos falsos de liberdade e direito. Levantemos nossas vozes como um raio de luz e façamos tremer os covardes; a palavra é a melhor arma, que amedronta os assassinos; a palavra estremece as mãos dos opressores e assim derruba os petrechos de morte que carregam consigo.

6 – Declaramos e doamos o valioso aporte – subsídios morais e sociais – dos poetas do mundo para o engrandecimento da humanidade. Daqueles que deixaram seus nomes marcados ao longo das eras, nos centenários livros da historia universal e na memória coletiva dos homens; como daqueles poetas anônimos, que passaram pela terra cumprindo suas missões legendárias através dos tempos. Cremos no valor que significaram estas majestosas contribuições em seus tempos, inclusive hoje. E vivemos uma época muito singular, onde toda a humanidade, em que se inclui os Poetas do Mundo do século XXI, e não queremos nos enraizar no passado tentando enxergar melhor o presente e o futuro. Os Poetas do Mundo deste século somos chamados a ser criativos, para sermos capazes de vibrar o grito atroante que se espera de nós frente ao descalabro que a humanidade impôs a si mesma ao longo das eras.

7 – Os Poetas do Mundo nos declaramos iguais – consagrados e menos conhecidos, famosos e anônimos, ricos e pobres, brancos e negros, mestiços e amarelos. Sempre e quando se situam neste lado da vida, empunhando as mesmas espadas para combater o que mata a vida, lutando corpo-a-corpo, ou ante a mesma barricada, para defender a JUSTIÇA [única para todos], a IGUALDADE [efetiva entre todos os habitantes da terra], a LIBERDADE [a verdadeira, não a dos discursos de instituições e arautos fraudulentos e corruptos] e o DIREITO dos povos de existir e viver em paz. Pois é apenas lutando por todos, que seremos cada um o vencedor. Não há vitória real na individualidade, no egoísmo, a vitória só é possível como uma conquista coletiva.

8 – Os Poetas do Mundo declaram todo espaço onde possam estar ou ser, como suas arenas de combate ao mal, sejam palácios ou cavernas perdidas, sejam os campos de trabalho onde se exploram os campesinos ou o fundo de uma mina onde se suga o sangue do mineiro. O Poeta do Mundo jamais se calará frente à dor de sequer um homem ou mulher, enquanto lhe houver fôlego. Porque o poeta não deixará de ir ao encontro de sua missão, levando a palavra, levando chuva sobre a terra, espetáculo de graça, beleza para os olhos dos homens e das mulheres. O Poeta será a luz que guiará os guerreiros, será o farol na escuridão da noite.

9 – Os Poetas do Mundo nos declaramos pacifistas, mas não covardes, nem passivos. Antimilitaristas, mas de nenhuma maneira ingênuos, mesmo que sentimentalistas por natureza, porque na expressão artística, a tinta da escrita é o sangue de nossas almas. Vivemos embriagados pelo encanto da arte, até a vertigem dolorosa da criação. Criação que terá sempre um objetivo: “APERFEIÇOAR A VIDA”, a nossa [individual], a de todos [coletivamente]. Somos pacifistas em busca da paz universal, mas sabemos que A PAZ não chega do nada, temos que ganhá-la, lutar por ela; por isso somos Guerreiros. E a PAZ não existirá se não for garantida a JUSTIÇA. A PAZ reinará a partir da justiça. Senão a única paz que teremos com os desmandos dos Impérios será PAZ DE CEMITÉRIO.

10 – Um Poeta do Mundo assume o dever de se aperfeiçoar sempre, crescer em humanidade, aceitando a pluralidade e a complexidade da existência. O Batalhão dos Poetas do Mundo é o espaço de luta para os que crêem ou não, ateus ou religiosos, justos ou equivocados, heterossexuais, bissexuais ou homossexuais, TODOS movidos e alimentados pelo e para o AMOR nobre. Poetas do Mundo é a fileira em que se reúnem os guerreiros de outrora e os combatentes modernos, militantes do BEM e da lealdade. Onde trazemos a grande revelação que pode unir o mundo, correntes por correntes, num grupamento de poetas repartidores de esperança e sorrisos, para a luta que dura desde a aurora dos tempos.

11 – E mesmo que o homem torpe busque um terceiro para impor suas culpas ou atribuir responsabilidade por sua salvação; nossa é que cada qual assuma sua essência, seu próprio espírito, sem ter que acusar outrem para calar a voz de sua culpa pelos seus erros e derrotas, nem para depender da verdade alheia para se salvar. Nossa esperança é alcançarmos, através da palavra, o acender do verbo nos corações de cada um, para o verso das montanhas, para a noite sigilosa da alma; assumindo e ascendendo os dons guardados no invólucro cuidadoso do ventre da natureza, até ver o anunciado amanhecer, em que cada um acrisolará sua alma com amor, movido pelas palavras. A Poesia é do mundo - e nós somos da Poesia.

Poeta do Mundo,

Una-se a esta batalha pela existência humana!

Pela continuidade da VIDA!

Ariasmanzo [Luis Arias Manzo]

[Secretário-Geral]

Santiago de Chile, dezembro de 2005

Tradução: Marcia Motta

Revisão:Luciano Wallimann Wolff [[Cônsul de Nova Andradina

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

COMO PODE DURAR TANTO?


COMO PODE DURAR TANTO?



Em guerras tribais, com apoio de religiosos,


Que condenavam a escravidão branca,


Passou-se a escravizar negros e os da terra.


Os da terra resistiram, conheciam o seu habitat.


Negros trazidos como animais estavam fora de sua terra,


Resistiram ,lutaram, morreram, guerrearam...


Negros e brancos pobres criaram quilombos...


Mas foi nas terras das Alagoas um paraíso terrestre,


Onde o mais belo anjo negro com sua força de guerreiro


E seu espírito de liderança, marcou para sempre a Consciência


Negra de nossa terra, ZUMBI o Rei de Palmares, o símbolo


Da resistência e persistência de uma raça,


que ficou por mais de trezentos anos sob a chibata!


Construíram essa terra...



Aparecido Donizetti Hernandez


20/novembro/2009 – 20h31

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

FRANGMENTOS DA ALMA

Um gesto
Sim...Não...
Uma esperança.
Uma desilusão.
Um aperto de mão quente, gostoso,
frio, indiferente.
Um aperto de mão de namorados, é morno,
é afago.
Um aperto de mão nervoso,
assustado, fortuito é muito desenxabido.
Um aperto forte de mão eloquente, fraterno
demorado.
Aí está o amor no coração.


(Leopoldo Napoleão - Fragmentos da Alma)

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Doçura



"Só conseguimos perceber
a doçura dos outros,
quando há mel dentro de nós!"



(Arnalda Rabelo)

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

ARCADAS

http://flanelapaulistana.com/?p=895


ARCADAS


Preciso estudar conhecer a grande cidade!
Nossa!...
Indústrias fumegam, sirenes tocam...
É infindável o vai e vem,
Lá vem o bonde...

Engraçado caminha nas paralelas...
É um correr freneticamente interminável.
Onde estou?
Ah? Rua São Bento, Direita... Arcadas da São Francisco!

Uma esmola grita o mendigo,
Não tenho nada, só tenho
Um abraço pra te dar!

Veloz passa o tempo,
Não posso parar,
Tenho que prosseguir...
Tenho que alcançar
Meus sonhos.

O dia veloz,
A vida mais ainda.
Tenho que sonhar,
Sorrir,
Cantar.
Tenho que encontrar...

Veloz como o vento
Agarrar as asas da velocidade.
Encontrar o que?
Um amor que se foi!
Te alcançarei...

Maria Magdalena de Oliveira Ayres Sagvalis

SOL ESCALDANTE

FOTO: Aparecido Donizetti Hernandez
SOL ESCALDANTE



Sol Escaldante...
Preciso ir ao encontro
Do amanhã!
Manhãs de abril
Incansável!

Quero Senhor, nada saber
Cidade grande
É lá que quero ir
Encontrar o meu amanhã.

Não mais o Sol
Escaldante,
A cerração fecha minha frente,
Prossigo...
Encontro o Viaduto do Chá
Freneticamente, parece sem rumo,
Chapéus, luvas, casacos...é tudo frio
Nem um olhar,
Muito menos um bom dia!

Apitos, apitos, carros, ônibus e fábricas fumegam
Madames em seus Cadilacs...
Essa é São Paulo, que me alucina...

Sou uma universitária,
Um comerciante,
Um ambulante,
Mais um poeta,
Malandro com cara de vagabundo?
Nada disso...
Sou mais um em busca de sonhos,
Sonhos do Saber!

Maria Magdalena de Oliveira Ayres Sagvalis

PÉROLAS CINZENTAS...

Pérolas Cinzentas…


Mundo cinza,
Amigos pardos, parcos, fracos ?!?...
Arrastam-se os dias
Vento sopra,
Folhas caem.
Onde estará ventre materno?
Quero voltar para o seu invólucro
E lá permanecer,
Serena.
Assumir a tristeza que me envolve
Não conter lágrimas,
Respeitar o seu curso,
Não significa fracasso,
Fraquejo,
São pérolas cinzentas do meu interior,
Triste e só.


Iara Melo