quinta-feira, 30 de agosto de 2012

CHOVE CHUVA

CHOVE CHUVA
Tony-poeta
Google Imagens

Chove chuva

Não garoa.

Um frio gostoso!
Meu pensamento cansado,
Nublado,
Envolto em névoas
Já pode pegar a enxurrada
Correr em disparada
Agasalhar-se em você
No som cadente
Na cama quente.


29/08/12

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

IPÊ AMARELO

Ipê Amarelo

Candy Saad

Da árvore de galhos finos e delicados
Desabrocham flores amarelas
Com tanta grandeza e majestade
Como se chovesse ouro
 Do imenso horizonte  azul...
As pétalas  de seda cintilantes
Voam sutis e caem no solo
Formando um tapete perfumado
Banhadas pelos raios do sol dourado...
Lá sento com meu amado
Espiando o beija-flor  retirar o pólen
Para no ar espalhar...
Agradecemos á Deus a dádiva
Que nos oferece para apreciar
Enchendo de alegria nossos olhos
E de amor nossos corações
 Pelo privilegio que ter o Ipê Amarelo
Aqui mesmo no nosso Jardim...

Recanto das letras
Código do texto: T3844073

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

NAMORANDO

 

Namorado

Idealizei um propósito...
E sigo nesta caminhada.
Às vezes, chego a querer voltar atrás...
Porem vejo que não estou errada.
 
Recorro aos ideais de um amor verdadeiro.
Afeto, aconchego, entendimento as duas vontades.
Sempre procurando dentro de mim...
O que há de melhor para dar nessas verdades.
Para ter amor é preciso conhecer.
Entender-se em primeiro lugar,
E o outro da forma que é.
Só assim, o amor cresce podendo se alimentar.
 
A alma se alimenta de verdades.
Às vezes sofre com isso...
Depois ela se torna animadora...
E mostra que é necessário correr riscos.
 
Às vezes por timidez...
Ou condicionadas a uma rotina.
Deixamos de arriscar, e não tomamos posse...
Daquilo que o amor nos destina.
 
É via de mão dupla...
Fazer ou não fazer, Dar e receber, arriscar e não ser recompensado.
Quem sabe?... Talvez... Mudando... Arriscando um pouquinho.
Ali vai estar o seu eterno namorado.
 
A mente se ilumina em pensamentos incertos... Esperanças...
Mostram em lampejos a minha jornada.
Preciso entender as vozes de entusiasmo na vida.
Senão o fim é ficar só, sem amor para a caminhada.

Ruthy Neves
 

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

MINHA INFÂNCIA...

MINHA INFÂNCIA...
Irá Rodrigues

Google Imagem
Minha infância tem cheirinho de mato
Cheirinho de lenha queimando
Tem cheiro de café coando...

Minha infância tem cheiro de agua
Cheiro de rio desaguando no mar
Cheiro de chuva peneirando no ar...

Minha infância tem cheiro de parque
Cheiro de criança comendo
Pipoca
Algodão doce
Bolo de chocolate...

Minha infância tem cheiro de colo
Dengo de avó abraço de avô
Carinho de família cheinho de amor...

Minha infância tem cheiro de mãe
Tem dengo de pai lá do céu
Cheirinho de infância
Cheirinho de lembrança
Ela tem todo cheirinho só meu...

 

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

FASES DA LUA


 Aparecido Donizetti Hernandez
Itapevi / SP


Fases da lua

Nossa vida, às vezes, parece as fases da lua,
estamos minguantes quando estamos cabisbaixos,
sem perspectivas, muitas vezes até sem esperanças;
aí antes de sumir, começamos a ser como a lua crescente...
sempre aparece um fio de esperança...
a esperança que permanece em nossa alma, em nosso espírito.

Começamos parecer lua nova - grande, linda, resoluta,
ainda sem muito brilho, mas linda,
exuberante no céu da vida, quase onipotente.

Quando somos a lua cheia?
Somente somos a lua cheia na hora
que o brilho intenso de nossas realizações
estão intimamente ligadas
ao brilho intenso das estrelas no céu
que refletem a luz própria dos que estão ao nosso lado,
juntos transformando o brilho da Lua cheia dada pelo Sol;
e emprestando sua beleza
à realização coletiva e à preservação da Terra.
Câmara Brasileira de Jovens Escritores - CBJE

terça-feira, 21 de agosto de 2012

FOGÃO A LENHA



 Aparecido Donizetti Hernandez
Itápolis-Itapevi / SP


Fogão a lenha

Em minha infância ouvi muitas histórias à beira do fogão a lenha contadas por minha avó, todas comsabedoria popular, tendo seu fundo de verdade. Histórias e fábulas que se perderam no tempo, e que ninguém sabe onde começou e quem as criou.
E assim, contou, certa vez, minha avó:
"Nos primórdios, onde a capivara ainda tinha rabo, um rabo esbelto, lindo e vistoso, sempre cuidado com muito zelo, considerando seu rabo o mais belo da fauna. E, de fato, o era.
Num belo fim de tarde de verão, onde o sol quase se pondo no horizonte e a brisa fresca e suave amenizando o calor do dia; a capivara, com seu esbelto rabo, sentou-se à beira da estrada acompanhada de seu melhor amigo, o macaco - também com seu lindo e longo rabo. Ambos à beira da estrada... larga estrada de areão, onde raramente passava viva alma. Ali sentados contavam histórias um ao outro, lembravam de fatos já passados, que juntos fizeram e colocavam em dia os assuntos vigentes da floresta.
Ali, macaco e capivara estendiam seus rabos sobre a branca areia do caminho, tranquilos e proseadores mantinham-se dessa forma. Ocorreu que nessa tarde, ao longe, se ouvia o ranger de rodas, e logo a capivara alerta seu companheiro e amigo:
- Compadre Macaco não quero deixá-lo preocupado, mas o ranger são de rodas de um carro de boi.
O macaco não deu a menor importância para o alerta da Capivara e continuava com seu longo rabo sobre a estrada de areão.
A amiga capivara não entendia porque o macaco somente continuava a contar histórias de forma empolgada e fazendo estrepolias, não dando atenção ao seu alerta.
- Compadre Macaco, já estou avistando ao longe... é mesmo um carro de boi, com oito juntas e está vindo em nossa direção, tire seu rabo da estrada.
O macaco continuava com suas estrepolias e contando suas histórias, mantendo seu longo rabo sobre a estrada.
- Compadre macaco, tire seu rabo da estrada, o carro de boi está muito próximo.
O macaco nada de tirar seu longo rabo do meio da estrada.
O carro de boi com oito juntas, carregado e rangendo suas rodas, aproxima-se mais e mais, e nada do macaco tirar seu longo rabo da estrada. A capivara continuava a se preocupar com o rabo do amigo macaco estendido sobre a estrada de areão.
- Compadre Macaco, o carro de boi está chegando e seu rabo continua na estrada.
O carro de boi chegou, o macaco recolheu seu rabo rapidamenbte e sentou-se em cima; a capivara, que estava preocupada com o rabo de seu amigo macaco, esqueceu-se que o seu esbelto e lindo rabo, que tanto admirava, também estava na estrada, e o carro de boi passou por cima, decepando-o.
Por isso hoje as capivaras não tem mais rabo.
“Quem cuida do rabo dos outros esquece seu próprio rabo".
Histórias e fábulas contadas por minha avó à beira do fogão a lenha...



sexta-feira, 17 de agosto de 2012

ALMA EM SILÊNCIO



Alma Em Silêncio
Neusa Mendonça

É no silêncio que a alma chora
É no silêncio que amarga sua dor
É no silêncio que reflete sobre o amor
É no silêncio que a alma suplica a Deus nesta hora
É no silêncio que a alma Deus adora
É no silêncio que a alma pede paz ao coração
Com ternura e dedicação...

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

A VERDADE ANGUSTIA

A Verdade Angustia
Ruthy Neves



Olho no espelho para ver o que o meu olhar refletia...
Neste momento era um misto de emoções entre raiva e alegria.
O sangue na veia fervia...
Até agora não tinha entendido...
A falta de um amor que eu sentia, não adiantava em outros braços procurar...
Somente nos teus, os meus sentidos se perdiam.
Era como sempre foi dito:
“Um amor de verdade ferido passa-se o tempo à mágoa vai embora,
e tudo volta à tona com a mesma magia.”
Fiquei só... Viajei... Procurei... Nada satisfazia.
Não queria admitir... Era a tua falta que eu sentia.
A alma está em agonia...
A verdade angustia.
E agora?
Como irei declarar que o que sinto é o oposto do que eu quero...
Será que queria?

terça-feira, 14 de agosto de 2012

AO AMIGO

AO AMIGO
Delasnieve Daspet

Google Imagens

M
ãos dadas,
Andamos juntos, sempre,
Envoltos em confiança,
Meu amigo somos irmãos
Porque a escolha é nossa.
Nada é imposto,
Partido, time, política, cor,
Cheiro, flor,
Tudo é partilhado no respeito
Que une dois seres que optam
Juntos caminhar.
Obrigada por segurar minhas mãos,
Nas travessias mais difíceis, me amparar,
Nos momentos mais escuros, me guiar,
E com meiguice, minhas lágrimas enxugar.
Que eu tenha força,

Que eu tenha paz,
Que eu tenha o mesmo amor,
Para te agasalhar!

sábado, 11 de agosto de 2012

CRIANÇA

CRIANÇA
Edmundo Moraes
Google Imagens

Ser criança
fazer lambança
encher a pança
e não pensar em nada

Olhar alegre a estrada
gostar de tudo e de nada
filmar a vida
coçar ferida
ser rápido

Ambiente quente
adora valente
em tudo ser prático
corre pra chegar na frente
detesta o prof. de matemática
mas vive fazendo as contas
conta todos os brinquedos
acorda cedo
a noite tem medo
quebra a ponta
para usar a borracha
apaga o passado
dorme sossegado.

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

MINHAS VAIDADES...











Minhas Vaidades...

Iara Melo




Envaideço-me
Na melodia dos meus versos
Cantados, falados;
Na harmonia do meu ser,
Configurada nas palavras.


Envaideço-me
No semblante marcado
Não fincado de amargura
No sorriso que carrego
Na alegria que me encanta.


Envaideço-me
Na ternura do meu ser
Na brandura de minha alma
Na compreensão do cinza
No arco-íris que me envolve.


Envaideço-me
Na oração que me enleva
No amor que me acompanha
No sossego do meu ser
Na vida que aclamo
E Amo.