segunda-feira, 28 de junho de 2010

SONETO

SONETO
Mario Lago


Em cena, um músico, um poeta.
Como um mago, e sua magia...
Que com um truque, nos desconcerta,
Revelando uma cadeira vazia...

E ali... O silêncio... Um teatro mudo...
O choro do palhaço no picadeiro...
O tudo do nada, o nada do tudo,
Calando um mundo inteiro...

Porque diante a ribalta,
A sua presença nos falta,
E a tristeza vem se apresentar...

E na cena, se põem a brilhar,
Como dessa forma eu relato,
Deixando vazio o nosso teatro...



Lilian Regina de Andrade

TROVA

TROVA
Lairton Trovão de Andrade


Poesia - terna voz d´alma
que, aos voos da imaginação,
mil tempestades acalma,
dando paz ao coração.


Lilian Andrade

TROVA


TROVA
Lairton Trovão de Andrade




A paz é conquista interna,
pura ausência de ansiedade;
tranquilidade que externa
prazer e felicidade.



Lilian Regina de Andrade

TROVA

TROVA
Lairton Trovão de Andrade




A água fina da chuva
rega a terra ressequida,
produz trigo, mel e uva,
- traz ressurreição à vida.




Lilian Regina de Andrade

TROVA


TROVA
Lairton Trovão de Andrade

Confessa a Literatura:
Inspira mais do que o tema,
no coração da cultura,
o simples nome "poema".



Lilian Andrade

VELEJANDO AS NUVENS

VELEJANDO AS NUVENS
Bruno Marques da Silva



Eu gosto de me distrair olhando o céu,
as nuvens se movendo para o outro lado
e o sonhos vagando por aí.

Brincar de imaginar formatos para nuvens
é o mesmo que poetar sonhos,
a nuvem que parece um barco
navegando pelas águas deste oceano.

E agora parece um coração ferido
com um enorme espaço vazio,
encharcado pelas águas deste mar azul.

De repente fez-se uma ponte de saudade,
quando eu estava no meio do caminho
a ponte desapareceu
e eu caí no fundo do mar.

E quando eu percebi o céu estava nublado,
apenas a verdade começava a se formar:
tempestade da solidão!
movendo o meu barco para o fim do mundo.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

PINTURA, POESIA E MÚSICA


A arte literária é consequência da própria vida, viver é a arte do inexplicável, das dúvidas e da esperança.

Aparecido Donizetti Hernandez

PINTURA, POESIA E MÚSICA
Marisa Cajado


Ah! uma tela surgindo
Da mão mágica fluindo
Em cores de todo tom
Ah! a poesia cantando
Na mesma mão que traçando
Compõe infinito som.
É a melodia da vida
A soar destemida
Nos talentos descobertos
É o ser dignificando,
A humana ordem elevando,
A rumos verdadeiramente certos.


Marcas Poéticas - direito autoral de Aparecido Donizetti Hernandez

------------

Lilian Regina de Andrade

CENESTESIA DA DOR

CENESTESIA DA DOR
Dária Farion



Num cenário grandioso, um mar de gente enfeitiçada
Só assim poderia ser o Adeus do Campeão.
A derradeira mensagem Senna deixou naquele olhar.

Já na pista, ainda brindou os fãs
Desfilando lentamente, acenando mentalmente
Acelerou... partiu. Fez sua viagem sem volta.

A morada da vida sem vida,
Rubro líquido precioso
Na pista ficou.

Uma dor extrema...
Comovente o público chorou.

Silêncio profundo.
Tão profundo!... cada lágrima em flor se transformou,
Cada olhar marejado um farol, seu trajeto iluminou.

O cenário mudou.
A plateia agora é outra
Legião de anjos o acompanha ap pódio celestial

De repente Senna vê uma bandeira desfraldada
Aquela bordada " AYRTON SENNA", cobrindo uma nação.
Foi para que não visse um povo chorando
Bandeiras a meio pau tremulando.




Lilian Regina de Andrade

DELASNIEVE...


Delasnieve...
Delasnieve Daspet

.
Nem sempre gostei do meu nome...
Quando era pequena achava-o tão difícil,
Um estigma carregá-lo,
Tão grande, tão diferente, tão estranho...
.
Continuo pequena,
Mas assimilei o nome.
Eu sou Delasnieve. Não poderia ser outra.
.
Foi a escolha de meus pais
Que o julgaram significativo, expressivo;
Um nome que define quem sou,
Que elaborou minha personalidade, minha vida.
.
Expressão de minhas obras, de fatos,
De criações e de meus sentimentos,
Com ele eu projetei e faço a minha história.
.
É um nome forte, marcante, seguro...
Tento construir algo que permaneça
Para que se perpetue.
.
Todos temos uma missão,
E o nome é o maior bem de nossa vida...
Não torná-lo vulgar, seja qual for o caminho,
Temos de ter orgulho de carregá-lo...
DD_16.01.10 – Campo Grande MS

ECTOPLASMA

ECTOPLASMA
-eron-


Fecho os olhos...
e vejo você!
Não está na minha presença,
mas na retina de minha consciência.
Seu ectoplasma cintila!
Não posso tocá-la...
Mas posso senti-la!
Que bom!


Lilian Andrade

TEMPO


A arte literária é consequência da própria vida, viver é a arte do inexplicável, das dúvidas e da esperança.
Aparecido Donizetti Hernandez

TEMPO
Aparecido Donizetti Hernandez

18/junho/2010

22h17



Como viver sem nossas viagens?
Nossas viagens pelo Universo...
Conhecendo novos mundos,
Novas vidas, outras contradições.

Como viver sem nossas viagens?
Nossas viagens pelo tempo...
Encontrando e reencontrando nosso tempo.

Como viver sem nossas viagens?
Viagens que nos levou ao templo,
Ao templo de meu silêncio,
Onde sua voz me desperta no tempo.

Como viver sem nossas viagens?
Viagens que me desperta no templo,
Templo de seu silêncio,
Silêncio que me desperta todo tempo,
As angústias desse tempo...


Marcas Poéticas - direito autoral de Aparecido Donizetti Hernandez


------------

Lilian Regina de Andrade

domingo, 20 de junho de 2010


Pablo Neruda


Se não puderes ser um pinheiro, no topo de uma colina,
Sê um arbusto no vale mas sê
O melhor arbusto à margem do regato.
Sê um ramo, se não puderes ser uma árvore.
Se não puderes ser um ramo, sê um pouco de relva
E dá alegria a algum caminho.

Se não puderes ser uma estrada,
Sê apenas uma senda,
Se não puderes ser o Sol, sê uma estrela.
Não é pelo tamanho que terás êxito ou fracasso...
Mas sê o melhor no que quer que sejas.


Lilian Regina de Andrade

QUIMERAS

QUIMERAS
Luiz Eduardo Caminha


Castelos de areia,
Um sorriso,
Uma criança.

Choramingos de alegria,
Brilham os olhos,
A esperança.

Quantos sonhos,
Pequeninos,
Quanta fé,
Quanta inocência.

Eu quisera reviver,
Qual quimeras,
Nas areias,
Ilusões de minha infância.

Vem o mar,
E leva tudo,
Lá se põe ela de novo.

Não desiste
Como eu,
De sonhar tudo de novo!


Lilian Regina de Andrade

HORA DE ACORDAR...


Hora de Acordar...
Delasnieve Daspet


No dia a dia descortinam-se
Barreiras de indiferenças
Do homem para com seus semelhantes,
Do homem para com a natureza,
Do homem para com a Humanidade....

Criados para o amor
Temos nos refugiado na descrença,
Criados para viver
Temos nos aperfeiçoado no matar ou morrer...

Criados para a luz
Inventamos – no egoísmo – na falta da sensibilidade
A escuridão para a vida!

Noites sombrias de embriaguez,
- em loucos delírios –
Aumentamos o vazio da existência...

Criados para a alegria
Nos perdemos para a satisfação do momento
No nosso labirinto íntimo...

Não seja indiferente...
Ouça o chamado... vem... vem, agora!
Saia de dentro de ti,
Da prisão de tua frieza,
Da escuridão que te cobre...

Vem!
Vem, para fora!
Saia do teu íntimo egoísta,
Reveste a alegria e da liberdade,
Na construção de um mundo de PAZ!

Vem!
Te chamo.... Chamo a ti e a todos,
Está na hora de acordar,
Está na hora de jogar para o escanteio,
A fome, a miséria, a injustiça e a guerra,
E tantas outras violências...

Vem!
Te espero e te busco nesta caminhada!
Abra os olhos e o coração
Para partilharmos o incomensurável dom da vida
Que recebemos!

A ESTRELA E O POETA

A ESTRELA E O POETA
Olga Maria Dias Ferreira


- Dize-me, estrela, por que eu posso ver-te?
Por que me é dado o dom de te enxergar?
Por que me permites não mais esquecer-te?
Por que contido, sei, posso sonhar?

Por que não tenho medo de perder-te?
Por que não canso de pra ti olhar?
Por que não deixo de enaltecer-te?
Por que ainda vibro com teu cintilar?

- Ouve-me, agora, meu caro poeta:
- tanto tu sentes, porque és estrela
e, vibras, mesmo, em outra dimensão...

Tens em tua alma, a luz, forma secreta
de ver tão bela a vida... tão completa,
e, de acolhê-la, com o coração!...


Lilian Regina de Andrade

É UM CÉU OS TEU BRAÇOS

É UM CÉU OS TEUS BRAÇOS
Tarcisio Ribeiro Costa




Na fadiga de um dia de labor,
"É um céu" encontrar os teus braços,
Que me aquecem com o seu calor,
É mesmo que trocar o cansaço,
Pela placidez do amor...

Está dominado o meu ser,
As tuas palavras de amor
Transfazem o meu viver.

Teu amor é uma salvação,
Por isso quero ser a fagulha
Que incendeia o teu coração.

Que o nosso caminhar tenha a amenidade
dos campos floridos
E que tudo entre mim e ti
Se convirja para a felicidade.



Lilian Regina de Andrade

PROCURA

PROCURA
Valdir Merege Rodrigues





Na procura louca e apesar de dura
Encontrei você. Não sei por que,
Pensei ter sido o amor tão procurado!
Vão pensamento tolo derramado,
Esparramado sobre o solo da vida
De muitas e tantas procuras...

Pensei, imaginei ser o seu esperado,
Achado por tanto tempo sonhado.
Como assim eu fizera por vezes acordado
Em madrugadas frias na coexistência
Do ser e querer, ter e poder ser amado...
- Era só eu e mais ninguém!

Mas, a procura era única e só minha.
Inverti os fatos e as fotos da existência
Que vivemos revelaram-se amargo fel
E na fotografia tão fria da existência,
Compus o retrato abstrato do meu achado...
- Um terrível vazio!


Lilian Regina de Andrade

ARRANCADO DE MEUS BRAÇOS


ARRANCADO DE MEUS BRAÇOS
Aparecido Donizetti Hernandez





Aprendi a arte do comércio, das barganhas e das trocas,
Aprendi com meus ancestrais, faz parte de minha cultura.
Aprendi a arte de ser feliz,
Aprendi com meus ancestrais, faz parte de minha cultura.

Aprendi a fazer festas,
Aprendi com meus ancestrais, faz parte de minha cultura.
Aprendi a viver coletivamente em tendas
E tendo o Planeta como nosso, e a terra como nossa,
Não sendo somente minha,
Aprendi com meus ancestrais, faz parte de minha cultura.

Aprendi ser perseguido,
Aprendi com meus ancestrais, não faz parte de minha cultura...
Faz parte dos preconceitos
Cultivados há milênios, mais antigos, talvez, que minha cultura,
Faz parte da cultura dos intolerantes, que não compreendem minha cultura.

Aprendi a ver o futuro nas cartas,
Ler as linhas do destino nas mãos espalmadas,
Aprendi com meus ancestrais, faz parte de minha cultura.
Mas não aprendi com os intolerantes
A ter meu filho arrancado de meus braços...
Faz parte da cultura dos intolerantes.
Não faz parte de minha cultura!


Lilian Regina de Andrade

AYRTON SENNA

AYRTON SENNA
Eron Freitas




Quando Ayrton Senna, sem aviso prévio, foi pro céu,
nuvens negras cobriram de tristeza nossas matas!
A passarada que era alegre...chorando emudeceu,
As estrelas não piscaram...e o mundo escureceu,
pois o herói tombou sem canto...e sem sonatas!

A nação, inconsolada, chorou copiosamente,
pelo inesperado e comovente acontecimento!
O destino não nos cabe julgar, nem dele ter ódio,
foi instrumento para levá-lo ao celestial pódio,
recebendo de Deus seu prêmio por merecimento!

Morreu o nosso herói no auge de sua carreira,
povoando de muita saudade nossos corações...
Vamos rezar pedindo a Deus para que noutras pistas,
seja ele capaz de nos brindar com outras conquistas,
e até na imortalidade seja o melhor dos campeões!



Lilian Regina de Andrade

É TUDO O QUE SINTO

É TUDO O QUE SINTO
Paulo Leminski


Inverno
É tudo o que sinto
Viver
É sucinto


Lilian Regina de Andrade

quinta-feira, 17 de junho de 2010

VEM COMIGO

o
VEM COMIGO
Aparecido Donizetti Hernandez
13/junho/2010 - 19h22




Pegue em minhas mãos,
Feche os olhos, venha comigo...
Para juntos vermos as nebulosas em Alpha Centauro,
Juntos ver as nebulosas! As estrelas nascerem!
Venha comigo aos confins do universo ver as estrelas...
E as que morreram...

Estrelas que não mais existem continuam a irradiar seu brilho no Céu...
Irradiando sua luz no Universo à velocidade da luz,
Seu esplendor continua a irradiar a luz
Mesmo que se foram há muito tempo
Mantêm sua luz nos céus.

Pegue em minhas mãos,
Venha comigo ver a escuridão...
Escuridão que o brilho de seus olhos ofuscam...
Seus olhos criam a claridade, a claridade da esperança de te ver.
Olhos verdes que refletem as estrelas na escuridão dos céus.
Dê-me as mãos, vem comigo, não me deixe na escuridão...
Escuridão de te amar e querer te ter - e não te ter -
Vem comigo... Não me deixe a escuridão;
Escuridão de minha solidão!

terça-feira, 15 de junho de 2010

MARCAS POÉTICAS

LANÇAMENTO LIVRO DIGITAL MARCAS POÉTICAS










http://www.caestamosnos.org/Aparecido_Donizetti_Hernandez/Marcas_Poeticas.html

sábado, 12 de junho de 2010

EU...


EU...
Florbeta Espanca



Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho,e desta sorte
Sou a crucificada ... a dolorida ...

Sombra de névoa tênue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber porquê...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou!


Lilian Regina de Andrade

POESIA

POESIA
Nelson Mandela



Nosso medo mais profundo
não é o de sermos inadequados.
Nosso medo mais profundo
é que somos poderosos além de qualquer medida.
É a nossa luz, não as nossas trevas,
o que mais nos apavora.
Nós nos perguntamos:

Quem sou eu para ser Brilhante,
Maravilhoso, Talentoso e Fabuloso?
Na realidade, quem é você para não ser?

Você é filho do Universo.

Se fazer pequeno não ajuda o mundo.
Não há iluminação em se encolher,
para que os outros não se sintam inseguros
quando estão perto de você.

Nascemos para manifestar
a glória do Universo que está dentro de nós.
Não está apenas em um de nós: está em todos nós.
E conforme deixamos nossa própria luz brilhar,
inconscientemente damos às outras pessoas
permissão para fazer o mesmo.
E conforme nos libertamos do nosso medo,
nossa presença, automaticamente, libera os outros.


Marcas Poéticas - direito autoral de Aparecido Donizetti Hernandez

------------

Lilian Regina de Andrade

ALMA CIGANA


Alma Cigana
Jorge Humberto



Os teus lábios,
São calados,
O grito,
Está presente:
E és todo o mundo,
Toda a gente,
Quando danças,
Teus antepassados...
Ah, mas aqui,
O que emana,
Não é vontade de fogo,
Na sujeição do lenho...
É mais uma intenção,
Sangue,
Carne e devoção,
De mostrar na pele
O sonho,
Da tua Alma Cigana



A PONTE

A PONTE
Gislaine Canales



Ponte forte na estrutura,
cimentada de ternura,
é a ponte do coração.
Cada pilar mais profundo,
suporta o peso do mundo
e as enchentes da emoção...

Para a ponte atravessar
é o bastante a gente amar,
pois quem ama quer viver...
E da própria realidade
forjar a felicidade
e a travessia vencer!

Em meu projeto de estrelas,
posso uma a uma acendê-las
em qualquer rumo que aponte,
que luzirá no universo
um brilho a mais no meu verso
na travessia da ponte!



Lilian Regina de Andrade

É UM CÉU OS TEU BRAÇOS

É UM CÉU OS TEUS BRAÇOS
Tarcisio Ribeiro Costa



Na fadiga de um dia de labor,
"É um céu" encontrar os teus braços,
Que me aquecem com o seu calor,
É mesmo que trocar o cansaço,
Pela placidez do amor...

Está dominado o meu ser,
As tuas palavras de amor
Transfazem o meu viver.

Teu amor é uma salvação,
Por isso quero ser a fagulha
Que incendeia o teu coração.

Que o nosso caminhar tenha a amenidade
dos campos floridos
E que tudo entre mim e ti
Se convirja para a felicidade.


Lilian Regina de Andrade

LÁ NO POENTE...


Lá no poente...
Delasnieve Daspet

.

Não alimento mais ilusões,
algumas portas já foram fechadas.
Fiz as minhas opções
vivo as somas de meus erros, acabada.
.
Foram tantas as amarguras
que as forças começam a falhar.
Aprendi que tudo é precário
que somos pequenos e limitados.
.
Agora eu sei que pouco sei.
Tirei a viseira dos enganos
preciso de coragem para seguir.
.
Busco forças para dar alento
aos que me olham com esperança;
Busco humildade para saber a palavra certa,
sabedoria para nortear o que me resta.
.
A juventude já segue longe.
...Lá no poente,
A insensatez se diluiu em lembranças
e corro em busca da compreensão para as mágoas,
desilusões, amarguras, medos e esperanças.
.
Agora que me aproximo, dia a dia,
do vértice do triângulo -
não vou chorar o passado!

Mid:-- Poente - Marisa Cajado

sexta-feira, 11 de junho de 2010

AS FLORES ENCANTAM...

A arte literária é consequência da própria vida, viver é a arte do inexplicável, das dúvidas e da esperança.
Aparecido Donizetti Hernandez


AS FLORES ENCANTAM...
Tânia Sueli Oliveira


Sinto a leve brisa tão gostosa
como o toque suave das pétalas
das flores que tanto encantam
com as suas exuberantes cores !

As brancas nos lembram
a linda e enigmática Lua,
a pureza, tranquilidade e a paz
que tanto desejamos a todos nós !

As azuis da cor do céu,
do espírito, pensamento, reflexão,
simbolizam a lealdade e a fidelidade,
bem como, nossos lindos sonhos !

As amarelas que lembram o Sol,
são calor e aquecem nosso coração,
como também, transmitem otimismo,
as esperanças que nos dão força e vida !

As cor-de-rosas são românticas,
tão ternas, suaves, delicadas, frágeis
que nos deixam tão sensíveis …
fraternos… é o amor incondicional !

As vermelhas indicam sentimentos fortes,
como o amor que tanto sonhamos
com paixão e desejos que perdurem
com lealdade e fidelidade para sempre !

Quantas cores…como o arco-íris,
as flores encantam num jardim,
à beira das estradas, ruas, canteiros…
embelezando e dando vida ao ambiente !

O perfume, a suavidade, a beleza,
as variadas cores e tamanhos…
fazem com que quem receba uma delas
abra um lindo sorriso com olhar brilhante !


Marcas Poéticas - direito autoral de Aparecido Donizetti Hernandez

------------

Lilian Regina de Andrade

CORDA DOS SONHOS


A arte literária é consequência da própria vida, viver é a arte do inexplicável, das dúvidas e da esperança.

Aparecido Donizetti Hernandez


CORDA DE SONHOS
Jorge Humberto


Acordo para a manhã com o despertar
dos justos.


Minha alma está tranquila
por te saber bem e de saúde e assim
me levanto para o dia com os olhos

limpos de indústrias.

Dou-te os bons
dias e percebo que olhas para mim
com um carinho inolvidável e sorris,
e eu sorrio para ti na orla do mar.


Teus lábios salgados me farão nascer
uma outra vez, com cordas de
músculos e de insonias que um dia
deixastes em mim como o bem despertar


de teu ser inconfundível e eu esquecerei
o fel do que sofri com o bem querer
à flor da pele, assomando à janela de meu
jardim, de rosas, jasmins e outras flores.


Beijamo-nos demoradamente enquanto
lá fora os pássaros cantam às fêmeas
tentando atrai-las para si e para os seus
ninhos, maravilhosamente construídos.


E abraçamo-nos peito com peito até
sentir o coração um do outro bem de
perto e um cavalo louco galopa a toda
a brida pelos nossos pulsos.

Planícies de nossos sonhos.

Desertos aqui por perto, tudo congemina a
nosso favor e eu sei que nos amamos
como se ama quem ama intensamente.


E eu sei que vou por aí tendo-te a meu
lado, de mãos dadas até onde somos
nós a sós mais o Universo exaustivo
que nos complementa e nos diz: amor.


Marcas Poéticas - direito autoral de Aparecido Donizetti Hernandez


------------

Lilian Regina de Andrade

ADORMECER AMANDO




ADORMECER AMANDO
Marisa Cajado


Vou adormecer para encontrar contigo.
De mãos dadas ir pelos espaços,
Ao mormaço estelar dos astros,
Sentir de novo seu contato amigo.

Aurir a paz que o coração alcança,
No reencontro que o existir apura,
Para seguir adiante mais segura,
Sorvendo a água clara da esperança.

Feliz quem pode perceber a chama,
Ardendo n’ alma a crepitar ternura,
No coração em cor, tecendo gama.

Pois esta fonte cristalina e pura,
Só jorra, naquele ser que ama.
Se fez de Deus, eterna criatura.

Marisa Cajado/Cancioneiros do Infinito

sábado, 5 de junho de 2010

EM BUSCA DO TEU AMOR

A arte literária é consequência da própria vida, viver é a arte do inexplicável, das dúvidas e da esperança.
Aparecido Donizetti Hernandez



EM BUSCA DO TEU AMOR
Aparecido Donizetti Hernandez



Esse meu amor incontrolavél...
Sinto sua falta
Como quando o ar me falta,
Esse amor que me sufoca...

Me sufoca a sua falta,
Quando penso que tudo está bem,
Está tudo certo entre nós,
Você me escapa, some...

Onde vais, quando pra mim não voltas?
Onde estás nas horas que esse ar me falta?
Tento pegá-lo... como se pega o ar com as mãos,
Me escapas entre os dedos.

Vais... mas volta, com esse amor que me sufoca,
Esse amor que me faz falta como o ar...
Quero que vá, quero que fique,
Pois sem esse amor não tenho ar,
Esse amor que me deixa viva em você e você vivo em mim.


Marcas Poéticas - direito autoral de Aparecido Donizetti Hernandez


------------

Lilian Regina de Andrade