segunda-feira, 31 de maio de 2010

CÉU ESCURO





CÉU ESCURO
Aparecido Donizetti Hernandez




Noite escura - a Lua não quis dar a graça de sua presença,
As estrelas no céu negro, nuvens espessas não permitem enxergá-las.
Noite escura de verão, as cigarras cantam,

Para acompanhar seu cantar, pirilampos cortam o céu,

Iluminando a noite escura como a tintinabular o canto das cigarras a afirmar:
A noite escura é meu salão - o palco de meu dançar.
- Pontos de luz à iluminar a negra noite sem luar

sábado, 29 de maio de 2010

ALAVORADA

ALVORADA


Cai a noite
A sombra ilumina nosso chão
O orvalho molha a relva
Que esta noite me serve como colchão

Ontem houve desgraça
O fogo incendiou nossa casa
Tu havia previsto na carta
Que eu partiria,deixando minha raça

Mas meu coração fugiu antes de mim
Foi morar com a paya que conheci
Não podia mais viver assim
E decidi que era hora de partir

Mas agora que estou longe percebi
Que sozinho neste mundo não sou ninguem
Pedaço de uma árvore que consenti
Ser arrancada do tronco por alguem


E agora o que é de mim?
O orgulho me condena
Gostaria de poder voltar assim
Carregando nos braços minha pequena

Pois hoje tenho uma filha
Fruto de um amor traiçoeiro
Pois a mãe não me deixou escolha
E abandonou-a ao lado do meu travesseiro

Peço a Deus que a abençõe
Pois no acampamento vou deixa-la
Ficar contigo não posso
Mas rogo a alguem que possa ampara-la





Jade Camargo pelo espírito de SERGUEI


(psicografada em Março de 2004)

quarta-feira, 26 de maio de 2010

FASCÍNIO


FASCÍNIO
Aparecido Donizetti Hernandez



Qual o fascínio que me desperta!?
Qual o fascínio deste concreto subindo aos céus tapando a terra?
Que fascínio me desperta essa arquitetura de curvas e retas?
- Que me desperta e me aperta...



Qual o fascínio que os homens veem no concreto?
Tornando o mundo abstrato saindo das entranhas da terra
Tentam chegar aos céus, ofuscando estrelas,



Onde não há mais matas e sumiu a serra.



Qual o fascínio que o amor nos desperta!?
Concreto no nosso abstrato...
Nesta noite fria em que me acalento em seus braços
Sem cantos... sem serra,
Junto ao "concreto" amor que nos dilacera.

terça-feira, 25 de maio de 2010

APENAS UM POEMA

Apenas um Poema



Resta-me apenas um poema,
para dizer nos cantos da sala.

Resta-me ouvir a bênção das horas
e a alegria de um sonho em cores.

Restam rosas encarnadas,
náufragas de um rio nas mãos.

Resta-me exercitar a bondade
e acalmar a fúria dos fantasmas
a gargalhar atrás das árvores.

Resta-me uma noite
morrendo em mim.

Calado,
espero estrelas.

Raimundo Lonato

NOITE DE OUTONO

Noite de outono
Delasnieve Daspet


.
Fria tarde...
O outono se faz sentir
Na tristeza do céu acinzentado,
No gemer das árvores,
Cujos galhos se curvam pelo vento,
E deixam, tristemente, pelo chão,
Um tapete de folhas murchas...
.
Escurece, agora.
Uma noite sem estrelas.
Uma vez mais o vento forte
Agita os galhos que projetam sombras,
Vultos esvoaçantes,
Aterradores, na noite escura.
.
Só, fraca, impotente
Frente a força dos sentimentos.
Dominada por angustiosa emoção...
Dor que não se contenta com a posse,
Necessita de compreensão e retribuição.
DD_Campo Grande-MS, 19.05.10

quinta-feira, 13 de maio de 2010

CONFIDENTE

CONFIDENTE
Aparecido Donizetti Hernandez
16h01 - 12/maio/2010


Fomos amigos, fomos amantes...
Confidentes e cúmplices
À procura do inalcançável.
Quantas vezes seus gestos fizeram minha alma cantar!
Quantas vezes fizestes minha alma sorrir!
Hoje, suas lembranças me entristecem...
Fazes outra alma feliz.


leia viagens & Devaneios

http://www.caestamosnos.org/Autores/Donizetti_Hernandez.htm

quarta-feira, 12 de maio de 2010

CONTIGO

Contigo
Valdir Merege Rodrigues


Se pudesse estar contigo agora,
nessa hora em que sinto tanto amor,
faria de tudo para que nossa realidade fosse como outrora,
tu em mim e eu em ti, unidos pela mesma emoção,
se eu pudesse ficaria contigo o dia inteiro
na beira de um lago à sombra de um pinheiro
ouvindo as batidas do teu coração só para ter a sensação
de unidos pela canção da vida estar degustando ao teu lado
o vinho dos deuses no cálice de uma flor!

A CAPELA

A Capela:
Valdir Merege Rodrigues


O clarão de luz que a lua cheia esplende sobre os traços de uma solitária capela, permeia a noite esmaecendo as estrelas do céu, também, clareia num coração solitário a esperança da volta de quem se foi e não mais voltou, fazendo chorar em silêncio a paixão do amor que na alma da gente se incendeia!

segunda-feira, 10 de maio de 2010

ANOITECEU

Anoiteceu

- Damáris Lopes -



Sorrateira, a tarde úmida anseia essência da noite
Vestes pardas, taciturnas, guardiãs ao breve açoite
Quando peito solitário, do luar sente a dor
Alvejado passageiro, sucumbe veloz a este amor.


Roubada doce face, busca fase penitente da lua
Não fui fruto semeado, nem ceifa da alma tua
E da messe tão distante, talhado restou meu plantio
Jardim aberto flutuante, sobrevoa agora o vazio.

Vãs foram as rosas coloridas desfiadas dos espinhos
Resignadas ao velho balde que perdia água e carinhos
No entardecer da tristeza, cruel o orvalho atesta
A lua que nasce brilha, mas não cede nem uma fresta.

Contundente é o momento que revira a natureza
E perverso tece a trama das pedras com proeza
Vencidos estão os dias ao passar da estação
Quem amei entardeceu, foi atalho da escuridão.

domingo, 9 de maio de 2010

NO PRINCÍPIO


NO PRINCÍPIO
Aparecido Donizetti Hernandez

No princípio eram somente Adão e Eva...
Saíram do Paraíso - deixando-o para trás..
Vieram à benção Abel e Caim.
Mesmo com o castigo de não permanecerem mais no Paraíso
Eva foi recompensada com filhos.


"Mãe é padecer no Paraiso";


Mãe é estar feliz na saudade;
Mãe é estar junto


Comprendendo o incompreensível;
É tolerar o intoleravél;

Chorar na chegada, sofrer na partida...
É presentir o futuro no presente;
Encontrar razões no irrasoavél
Com amor imensuravél.
Marcas Poéticas
Formatação Lilian Regina Andrade