sexta-feira, 30 de março de 2012

INVERNO


INVERNO
(luizcarloslemefranco)  
9,50, 29,03,12, ame


Vejo-me solitário hoje.
Estou tristonho.
O dia n ao existe, é inerte, está comprido.
O céu está acinzentado, quieto, parado.
As nuvens  mais baixas, não se movem.
O ar não circula, o ânimo não vem, a vontade esmorece.
Início de inverno.
O tempo sabe, o mundo aceita.
Frio físico e no espírito.
Quietude de alma. O corpo enrijece.
A atividade física não se faz mais presente.
 O mundo se aquieta, a  terra mata os insetos e compacta-se.
Foto: Aparecido Donizetti Hernandez - Itabira- MG
10-3-2012
As raízes das plantas trabalham, as folhas obedecem
Os rios concentram  suas águas e riquezas.
A natureza age em ritmo lento, descansa.
Os animais se agasalham na toca da terra e das árvores.
Os pássaros  refugiam-se. O Homem se aquece.
É tempo de  sossego, de quietamento, de reflexão,
De voltar ás raízes como os vegetais para se preparar
 para primavera que  logo virá, e com ela o burburinho
da vida reaparecerá e ela se renovar-se-á.
Façamos como a natureza, reflitamos, curtamos este tempo.
A vida é única, recicla-se apenas, não vai embora.
Inverno, Primavera, Verão, Outono são fases somente,
Tempos diferente para se seguir a escada espiralada da vida.

Respeite os Direitos Autorais
Divulgação
Marcas Poéticas Instituto

terça-feira, 27 de março de 2012

TROFÉU PEDRO ALEIXO - ITABIRA MG



Poeta Aparecido Donizetti Hernandez
 Troféu Pedro Aleixo - Conferido ao Poeta, Ativista pela Paz, preservação do Planeta, Direito dos idosos, defensor do Pleno Estado de Direito Democrático, pelas liberdades individuais e pela reforma Urbana :

APARECIDO DONIZETTI HERNANDEZ 
Cidade de Itabira - MG (Brasil) 10-3-2012.



HERNANDEZ é da Governadoria de Poetas del Mundo Representação no Estado de São Paulo, e Coordenador de Marcas Poéticas Instituto.

Tecnólogo em Gestão Pública -FATEC Internacional -Paraná.

Especialista Contabilidade Pública e Responsabilidade Fiscal - FACINTER -Curitiba - PR

Especialista em Gestão Pública - UTFPR - Universidade Tecnologica Federal do Paraná - Campus - Pato Branco - UAB/ Polo -Itapevi- SP (2011-20012)




Notável pode ser sinônimo de melhor, de sucesso, de brilho. Mas é, sobretudo, coragem. Quando ouvimos a palavra "Notável", temos também a sensação de grandeza, de excelência intelectual, de determinação. Ideias que nos vêm à mente como brotam as sensações mais naturais. E é isso mesmo. Só se sobressai quem faz da vida um elo profundo e contínuo com os valores humanos, com a construção de um mundo melhor, com a cidadania, com as questões sociais e, mais importante, quem faz do ato de viver um compromisso consigo mesmo e com a realidade que o cerca.

Eustáquio Lúcio Felix

Itabira – MG


 
PEDRO ALEIXO - Politico advogado, professor, jornalista, escritor e acadêmico, Dr. Pedro Aleixo passou para a história do País como Democrata e Defensor do Estado de Direito.
            Formou-se em direito em 1922, recebendo o prêmio Rio Branco, conferido ao melhor aluno da turma. Foi professor da Faculdade de Direito da, hoje Universidade Federal de Minas Gerais. Deu início a carreira de docente, em outubro de 1927, como livre docente, por concurso público, de Direito Penal. Catedrático, ocupou também as cadeiras de Direito Internacional Público e Prática do Processo Penal. Fundou a Cadeira de Direito Penal da PUC/MG.
            Jurista respeitado em todo o Brasil e homem público comprometido com a verdade com as liberdades democráticas, a historia do Professor Pedro Aleixo se confunde com a luta pela restauração dos direitos da cidadania no Brasil.
            Fundou e dirigiu o Jornal Estado de Minas até que fosse incorporado aos Diários Associados e foi Presidente de algumas das empresas desta organização, em Minas Gerais.
            Deputado Federal Constituinte, deu importante contribuição à elaboração da Constituição de 1934, notadamente ao capítulo que se refere aos direitos e garantias individuais. Em 1937, foi eleito Presidente da Câmara dos Deputados, cargo que ocupou até a instauração do Estado Novo. Em telegrama a Getúlio Vargas, protestou contra “Graves Atos” ocorridos no país, naquele momento. Dr. Pedro Aleixo tornou-se o último mineiro a ocupar a Presidência da Câmara dos Deputados, no século vinte.
            Foi um dos signatários do Manifesto dos Mineiros (1943) em favor da redemocratização do País.
            Um dos fundadores da UDN, elegeu-se Deputado Federal, para o seu 4º mandato (1959-1963). Em 1961, assumiu a liderança do Bloco Parlamentar UDN/PL e, mais tarde, a liderança da oposição.
            Líder do Governo Jânio Quadros na Câmara dos Deputados, após a renúncia do Presidente, voltou a liderar a oposição. Na crise que antecedeu a posse de João Goulart, O deputado Pedro Aleixo estava entre os que mais contribuíram para superá-la, mediante a adoção do Sistema Parlamentarista.
            No período Castelo Branco, foi líder do Governo e, depois, Ministro da Educação e Cultura (1966).
            Eleito pelo Congresso Nacional, Vice-presidente da República na chapa encabeçada pelo Marechal Costa e Silva, foi o único membro do Conselho de Segurança Nacional a manifestar-se contra a edição do Ato Institucional nº 5 (1968), afirmando que a adoção de tal medida institucionalizaria a ditadura, o que comprometeria seriamente a ordem constitucional.
            Em 1969, presidiu a Comissão de Juristas responsável pela reforma constitucional. Nesta comissão, sua atuação foi marcada pela tentativa de introduzir no texto, medidas capazes de desestruturar o regime arbitrário instaurado no País, objetivando, sobretudo, a reabertura do Congresso Nacional.
            Impedido de tomar posse como Presidente da República pelos militares, após a grave enfermidade que acometeu o Marechal Costa e Silva (1969), chegou a ser detido em sua residência, no Rio de Janeiro. Em fevereiro de 1970, rompeu com o oficialismo e, retornando à atividade profissional em Minas Gerais, dedicou-se à criação do Partido Republicano – PDR.
            Em maio de 1972, foi eleito para a Academia Mineira de Letras, Fundou e manteve com recursos próprios, a Fundação São José, instituição que presta assistência a menores, em Itabirito, Minas Gerais; contribuiu para o sustento da Santa Casa de Misericórdia (Belo Horizonte). Colaborou na remodelação do sistema penitenciário de Minas Gerais.
Aposentou-se como Catedrático de Direito Penal da Faculdade de Direito da UFMG, sem abandonar as atividades profissionais como advogado e dedicando-se à formação do PRD.
            Esta foi a vida de Pedro Aleixo, a história de um Estadista Brasileiro, cujas lutas, vitórias e derrotas marcaram profundamente sua participação no processo de aprimoramento de nossas instituições.
            Professor emérito, exemplo para todas as gerações, político ilibado, homem que no dizer de um de seus como Quixote, pensando amigos. “morreu em moinhos. Amou a liberdade até o derradeiro momento e, como não poderia deixar de ser, foi vítima desse amor”.
            Ao outorgar o Troféu Pedro Aleixo a Personalidades Notáveis, mineiras e brasileiras, o Colunista Eustáquio Lúcio Felix quer homenagear a história de Homens e Mulheres que, assim como esse honrado brasileiro, fazendo da vida um ato de fé, coragem e cidadania.
            Vale aqui, lembrar o trecho da Saudação com que Paulo Pinheiro Chagas o recebeu na Academia Mineira de Letras: ”Demais, sois uma legenda democrática. Vosso nome soa ao jeito de um toque de rebate, de um convite ao diálogo, de uma luz repentina de liberdade, tudo amostrar, como no verso do poeta, que tendes sido, para o Brasil, em mais de uma oportunidade, ‘o clarim, a clareira, o clarão’”.




Texto do Colunista Eustáquio Lúcio Felix
 Fotos Pedro Aleixo - Fonte google



segunda-feira, 26 de março de 2012

EXPLOSÃO ESTELAR









 



Explosão Estelar

Luli Coutinho




E a flor ao desabrochar
Sentiu a magia do sonho
Numa explosão estelar

No vislumbre do meu peito
O aconchego do teu coração
Afagou-se em beijos à paixão

E esse teu jeito de menino
Devorou-me em esperança
Tal bailarina bordada a dança

A pele em nuances violeta
Irisou-se aos olhos verde jade
A velocidade de um cometa

Assim éramos a luz tu e eu
E te amei sem que soubesse
Ser resplendor ao corpo meu

E num encontro de gametas
Consagrados a lua e ao mar
Voamos ao encontro do céu

Luli Coutinho
19/04/09
São Paulo - SP
Esta poesia recebeu "Destaque Literário"
Classificada em 9º lugar no "Concurso Versos Inéditos"
do "Mural dos Escritores" em Belo Horizonte.
Coordenação: Ana da Cruz
31/05/09
Recanto das Letras
Código do texto: T1570246


quarta-feira, 21 de março de 2012

MEUS VERSOS MORREM
Sá de Freitas


A noite escreve um poema de estrelas,
Na página do Espaço,
Como se quisesse alegrar a lua,
Que vaga triste a procura do sol.
A Terra adormece, mas o povo não para
E nas cidades as luzes se acendem,
Procurando dar vida aos que andam pelas ruas
E não olham para cima.
Mas eu, poeta, ignoro as lâmpadas
E namoro o brilho do alto,
Vagando a procura de um verso
Que fale de paz.
Mas de lá onde estou, nas alturas,
Ouço os rumores das guerras,
Sinto o cheiro fétido dos crimes
E sinto a frieza do desamor,
Que congela a bondade,
Aniquila a fé
E animaliza os homens...
Mas preciso voltar
Para apenas contemplar o céu estrelado
E aí, meus versos morrem.

Samuel Freitas de Oliveira
Avaré-SP-Brasil

A POESIA VADIA



A Poesia Vadia

 
Olhem a bela Dona Poesia
Toda Formosa e toda catita
Vai estar na rua a vadia
As quintas-feiras a bendita!

Vai ser um mês de melodia
Que terminará no dia do poeta
Que se dê parabéns a Praia
Por uma iniciativa tão certa!

Eu cá que de poeta sou nada
Só posso estar neste canto
Esquecido e vendo a Encantada
Poesia desfilar o seu encanto!

Que no ar fica dançando a bela
E embalada faça a população esquecer
A violência que é uma habitante dela
A Praia... E deixe de à todos pertencer!

Querida Praia termino com um obrigado
E... Porque não quinta-feira cultural
Sempre e sempre... Era muito engraçado
Assim a Praia voltava a vender mural !

João Pereira C. Furtado
JOAO_FURTADO.

Cabo Verde - Portugal

ECAD SEM RUMO

20 DE MARÇO DE 2012 - 9H22 

"Desde Collor, Ecad ficou sem regras", diz Juca Ferreira


"Em tempo de internet, de difusão de conteúdo livre, precisa haver uma forma de que os direitos do criador sejam respeitados". Quem opina é o ex-ministro da Cultura do governo Lula, Juca Ferreira, que, nesta quarta-feira (21), faz a abertura do Fórum Internacional de Gestão Cultural, em São Paulo. Nesta entrevista, Ferreira comentou as recentes polêmicas em que o Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição) se envolveu.


Constante alvo de críticas de parte da classe artística, o Ecad, órgão responsável pelo pagamento de direitos autorais a autores brasileiros, notificou, no início de março, os criadores do blog sem fins lucrativos Caligraffiti a pagar uma taxa de R$ 352,59 mensais por retransmitir vídeos do YouTube e Vimeo. 

Após o Google se manifestar contrário à cobrança, o Ecad emitiu uma nota dizendo que a cobrança havia sido um erro de interpretação. "Desde o governo Collor (1990 - 1992), o Ecad ficou sem regras, o que desenvolveu uma certa distorção na arrecadação e na cobrança dos direitos autorais", comenta Ferreira. Confira abaixo a entrevista na íntegra:

Terra: A Nova Lei de Direitos Autorais teve sua consulta pública finalizada na sua gestão no Ministério da Cultura. Por que ela não entrou em votação antes do fim do governo Lula? 
Juca Ferreira: Na minha infância eu costumava ouvir muito um ditado que dizia: "a pressa é inimiga da perfeição". Neste caso, a pressa não é mais importante do que a construção de um projeto de lei maduro. Todas as ações são precedidas de uma longa discussão e nós passamos seis anos discutindo a Nova Lei de Direitos Autorais, que deixamos engatilhada para o governo seguinte. Na última conferência que fizemos para a discussão do projeto, estiveram presentes técnicos, artistas e pessoas do meio para darem a suas opiniões, de forma que todos colaboraram para a formulação.

Terra: O Ecad se envolveu recentemente em uma polêmica ao cobrar direitos autorais de um blog que embedava vídeos do YouTube. Como deveria ser a atuação do Ecad em tempos de internet e de difusão de conteúdo livre? Quais os limites que deveriam existir para a cobrança de direitos autorais na internet? Ferreira: Desde o governo Collor (1990 - 1992), o Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição) ficou sem regras, o que desenvolveu uma certa distorção na arrecadação e na cobrança dos direitos autorais. Assim, os direitos e deveres, tanto por parte dos artistas quanto por parte do poder público, ficaram perdidos. 

Em tempo de internet, de difusão de conteúdo livre, muitos artistas se sentem lesados. O que precisa haver é uma forma de ao mesmo tempo em que a cultura é democratizada e todos conseguem acesso às suas diferentes formas, os direitos do criador sejam respeitados. Os artistas precisam ter segurança e o poder público precisa ser o mais transparente possível quanto aos direitos deles, para que eles conheçam tudo nos pormenores e possam interferir para não se sentirem prejudicados.

Terra: A Lei Rouanet é alvo de constantes críticas, pois ela acabaria concentrando os recursos em poucos proponentes do eixo Rio-São Paulo. Como acabar com isso? 
Ferreira: A lei Rouanet criou uma distorção muito grande, que não permite desenvolver a atividade artística. Não acredito que é só no eixo Rio-São Paulo, mas essa lei usa o dinheiro público apenas para fortalecer o marketing de empresas. A solução é um completa reformulação e, novamente, uma ação mais incisiva do poder público em fiscalizar e garantir os direitos de todos.

Entenda o caso

No último dia 5 de março, o Ecad notificou os criadores do blog sem fins lucrativos Caligraffiti a pagar uma taxa de R$ 352,59 mensais por retransmitir vídeos do YouTube e Vimeo. A notícia repercutiu negativamente nas redes sociais - onde usuários lembraram do caráter de compartilhamento na rede mundial.

Atualmente está em tramite no governo a reforma da lei do Direito Autoral, de 1998. A proposta estava na Casa Civil para mudanças finais, mas o projeto voltou à etapa de consulta pública e, desde outubro de 2011, um anteprojeto da lei está em análise na Casa Civil. Ainda não há prazo para a medida ser enviada ao Congresso. A revisão da legislação está prevista no Plano Nacional de Cultura, que pauta as ações do Ministério da Cultura (MinC).

Entre as reformas está a supervisão do governo, através do MinC e da Controladoria-Geral da União, de associações privadas de gestão coletiva de direitos autorais, como o Ecad. Com procedimentos eletrônicos de captação e identificação, o escritório de arrecadação calcula os valores que devem ser pagos pelos usuários de música em ambiente público e repassa parte do valor aos detentores do direito da obra em questão.

Com Terra

ITAPEVI SARAU 29 DE MARÇO DE 2012


Foto Montagem: Hernandez -  Recebendo em Itabira -MG
TROFÉU PEDRO ALEIXO
10-03-2012

segunda-feira, 19 de março de 2012

O CORPO É MOVIMENTO


O CORPO É MOVIMENTO
19/3/2012

CEMEB Dona Maria Roncagli Michelloti
Texto do: PROFESSOR MARCOS VINÍCIUS MOTA
EDUCAÇÃO FÍSICA 



Lá vem ela, linda com seus cabelos longos,
 pernas grossas, sempre de saia rodada...

 Nossa primeira relação com o outro é através do corpo como ponto de referência.
Assim, este, o corpo, torna-se meu ponto de referencia em toda relação com o outro
e com o mundo.  

Eu sou baixo, adoro usar calça jeans,
 tenho os olhos castanhos e sempre ando sorrindo
e percebo-a linda com seus cabelos longos, pernas grossas,
 sempre de saia rodada.  

Conhecer meu ponto de referencia torna-se essencial.
Conhecendo este meu corpo em suas potencialidades e limitações
toda minha relação se dará de forma mais proveitosa.
E pelas experimentações diversas (movimento, sensações, o social)
vou me descobrindo em relação ao outro e a mim. 

Dessa forma, eu que sou baixo, adoro usar calça jeans,
tenho os olhos castanhos e sempre ando sorrindo,
percebo nas minhas aulas de educação física escolar que sou rápido,
mais rápido que Ele,
mais rápido que eu mesmo o ano passado,
mas não tão rápido como aquele carro
portanto, tenho que esperar a hora certa para correr até ela que é linda
com seus cabelos longos, pernas grossas,
sempre de saia rodada e que está do outro lado da rua. Acredito que
 não tenho sorte, não chegarei a ela a tempo,
sabendo que é hora de seu lazer,
hora de se divertir, de se socializar com suas amigas em seu jogo de vôlei. 

Percebemos aqui a educação física auxiliando-nos da descoberta do eu
em suas potencialidades e limitações, que se estende em uma relação com o outro
 e com o mundo através das práticas corporais/sociais.




quinta-feira, 15 de março de 2012

EMBIOCAR


EMBIOCAR

Estrelas a brilhar,

no imenso céu negro.

No limite as constelações,
reina absoluta a rainha lua...
Hoje, pequena
Amanhã, menina crescente
Depois cheia, senhora de si.
Brinca de se embiocar,
por entre as nuvens...
E ao bailar das estrelas, uma cadente.
Fecho os olhos, faço um pedido...
A lua fica a olhar, embevecida,
está a adivinhar o meu sorriso.
Da vida parte o embeleco,
a lua sorri...Enamorada...
Só assim reconheço,
só assim adormeço...
A lua no seu estado de graça
está a amar...

Poetisa Menina
Autora do Portal CEN - Cá Estamos Nós
Guarulhos - SP