quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

PARANÁ EM TROVAS COLLECTIONS

Paraná em Trovas Collection - 32 - Elidir D'Oliveira (Ivatuba/PR)
Posted: 20 Dec 2011 05:51 PM PST



Adélia Prado (Cantiga dos Pastores)
Posted: 20 Dec 2011 05:49 PM PST

À meia noite no pasto,
guardando nossas vaquinhas,
um grande clarão no céu
guiou-nos a esta lapinha.
Achamos este Menino
entre Maria e José,
um menino tão formoso,
precisa dizer quem é?
Seu nome santo é Jesus,
Filho de Deus muito amado,
em sua caminha de cocho
dormia bem sossegado.
Adoramos o Menino
nascido em tanta pobreza
e lhe oferecemos presentes
de nossa pobre riqueza:
a nossa manta de pele,
o nosso gorro de lã,
nossa faquinha amolada,
o nosso chá de hortelã.
Os anjos cantavam hinos
cheios de vivas e améns.
A alegria era tão grande
e nós cantamos também:
Que noite bonita é esta
em que a vida fica mansa,
em que tudo vira festa
e o mundo inteiro descansa?
Esta é uma noite encantada,
nunca assim aconteceu,
os galos todos saudando:
O Menino Jesus nasceu!



Ademar Macedo (Mensagens Poéticas de Natal n. 431)
Posted: 20 Dec 2011 05:42 PM PST

Uma Trova Nacional
Cristo Deus feito criança,
que a sublime estrela tua
encha de luz de esperança
os moradores de rua.


–GERALDO AMÂNCIO/CE–
Uma Trova Potiguar
É Natal, noite feliz,
na capela bate o sino,
e o coro alegre assim diz:
– nasceu Jesus, Deus menino.


–UBIRATAN QUEIROZ/RN–
Uma Trova Premiada
2002 - Garibaldi/RS
Tema: “NATAL” - M/H
Vencendo o tempo e a distância
num clima de eternidade,
os Natais de minha infância
permanecem na saudade.


–IVO DOS SANTOS CASTRO/RJ–
Uma Trova de Ademar
Noel quase nunca vem
visitar nossas favelas,
pois lá, crianças não têm
nem sapatos, nem janelas...


–ADEMAR MACEDO/RN–
...E Suas Trovas Ficaram
É Natal! Lá na favela,
no seu barraco sombrio,
ele encontrou na janela
o tamanquinho vazio!...


–CAROLINA A. DE CASTRO/PE–
Simplesmente Poesia
Jesús El Salvador.


–LIBIA BEATRIZ CARCIOFETTI–ARGENTINA

Navidad es todo el año
si predicamos amor.
Al conocido, al extraño
que JESÚS es el Salvador.
Es él que vino a traernos
paz a nuestro corazón,
olvidando los infiernos
que nos causan desazón.
Que nuestras voces unamos
en canto de adoración
pues hacia el cielo marchamos
busquemos su aprobación.
Estrofe do Dia
Eu só vou ter alegria
nessa festa de Natal,
havendo a paz mundial
em cada raiar do dia;
peço pela primazia
reforçando o meu pedido,
pra que ele seja atendido
vamos todos dar as mãos,
na ceia dos meus irmãos,
quero cristo renascido.


–MARCOS MEDEIROS/RN–
Soneto do Dia
Prece de Natal.

–OLGA DIAS FERREIRA/RS–

Ouço bem longe, doces tons divinos,
a penetrar-me a alma com fulgor,
diviso sons, suaves,  cristalinos,
a propagar  a vinda do Senhor.
Pobres pastores, rumam campesinos,
na atmosfera de cadeia em flor,
escutam forte badalar de sinos,
em grandes festas para o Salvador.
Os três Reis Magos, com prazer intenso,
transportam joias, o mais raro incenso,
com vestes santas, para um festival...
Brilhando o sol, com o raiar mais denso,
formulo prece, com amor imenso:
bendito sejas, Pai, neste Natal!!!

Fonte:
Textos enviados pelo Autor


Adélia Prado (Poesias Avulsas)
Posted: 20 Dec 2011 05:38 PM PST

IMPRESSIONISTA
Uma ocasião,
meu pai pintou a casa toda
de alaranjado brilhante.
Por muito tempo moramos numa casa,
como ele mesmo dizia,
constantemente amanhecendo.


CASAMENTO
Há mulheres que dizem:
Meu marido, se quiser pescar, pesque,
mas que limpe os peixes.
Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,
ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.
É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,
de vez em quando os cotovelos se esbarram,
ele fala coisas como "este foi difícil"
"prateou no ar dando rabanadas"
e faz o gesto com a mão.
O silêncio de quando nos vimos a primeira vez
atravessa a cozinha como um rio profundo.
Por fim, os peixes na travessa,
vamos dormir.
Coisas prateadas espocam:
somos noivo e noiva.


ENSINAMENTO
Minha mãe achava estudo
a coisa mais fina do mundo.
Não é.
A coisa mais fina do mundo é o sentimento.
Aquele dia de noite, o pai fazendo serão,
ela falou comigo:
"Coitado, até essa hora no serviço pesado".
Arrumou pão e café , deixou tacho no fogo com água quente.
Não me falou em amor.
Essa palavra de luxo.


EXPLICAÇÃO DE POESIA SEM NINGUÉM PEDIR
Um trem-de-ferro é uma coisa mecânica,
mas atravessa a noite, a madrugada, o dia,
atravessou minha vida,
virou só sentimento.
(in Bagagem)


A SERENATA
Uma noite de lua pálida e gerânios
ele viria com boca e mão incríveis
tocar flauta no jardim.
Estou no começo do meu desespero
e só vejo dois caminhos:
ou viro doida ou santa.
Eu que rejeito e exprobo
o que não for natural como sangue e veias
descubro que estou chorando todo dia,
os cabelos entristecidos,
a pele assaltada de indecisão.
Quando ele vier, porque é certo que ele vem,
de que modo vou chegar ao balcão sem juventude?
A lua, os gerânios e ele serão os mesmos
- só a mulher entre as coisas envelhece.
De que modo vou abrir a janela, se não for doida?
Como a fecharei, se não for santa?


COM LICENÇA POÉTICA
Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta,
anunciou: vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem, sem precisar mentir.
Não sou feia que não possa me casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza
e ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos - dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria, sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.


DONA DOIDA

Uma vez, quando eu era menina,
choveu grosso, com trovoada e clarões,
exatamente como chove agora.
Quando se pôde abrir as janelas,
as poças tremiam com os últimos pingos.
Minha mãe, como quem sabe que vai escrever um poema,
decidiu inspirada: chuchu novinho, angu, molho de ovos.
Fui buscar os chuchus e estou voltando agora,
trinta anos depois. Não encontrei minha mãe.
A mulher que me abriu a porta, riu de dona tão velha,
com sombrinha infantil e coxas à mostra.
Meus filhos me repudiaram envergonhados,
meu marido ficou triste até a morte,
eu fiquei doida no encalço.
Só melhoro quando chove.

CORRIDINHO
O amor quer abraçar e não pode.
A multidão em volta,
com seus olhos cediços,
põe caco de vidro no muro
para o amor desistir.
O amor usa o correio,
o correio trapaceia,
a carta não chega,
o amor fica sem saber se é ou não é.
O amor pega o cavalo,
desembarca do trem,
chega na porta cansado
de tanto caminhar a pé.
Fala a palavra açucena,
pede água, bebe café,
dorme na sua presença,
chupa bala de hortelã.
Tudo manha, truque, engenho:
é descuidar, o amor te pega,
te come, te molha todo.
Mas água o amor não é.


DOLORES

Hoje me deu tristeza,
sofri três tipos de medo
acrescido do fato irreversível:
não sou mais jovem.
Discuti política, feminismo,
a pertinência da reforma penal,
mas ao fim dos assuntos
tirava do bolso meu caquinho de espelho
e enchia os olhos de lágrimas:
não sou mais jovem.
As ciências não me deram socorro,
não tenho por definitivo consolo
o respeito dos moços.
Fui no Livro Sagrado
buscar perdão pra minha carne soberba
e lá estava escrito:
"Foi pela fé que também Sara, apesar da idade avançada,
se tornou capaz de ter uma descendência..."
Se alguém me fixasse, insisti ainda,
num quadro, numa poesia...
e fossem objetos de beleza os meus músculos frouxos...
Mas não quero. Exijo a sorte comum das mulheres nos tanques,
das que jamais verão seu nome impresso e no entanto
sustentam os pilares do mundo, porque mesmo viúvas dignas
não recusam casamento, antes acham sexo agradável,
condição para a normal alegria de amarrar uma tira no cabelo
e varrer a casa de manhã.
Uma tal esperança imploro a Deus.


MOÇA NA SUA CAMA

Papai tosse, dando aviso de si,
vem examinar as tramelas, uma a uma.
A cumeeira da casa é de peroba do campo,
posso dormir sossegada. Mamãe vem me cobrir,
tomo a bênção e fujo atrás dos homens,
me contendo por usura, fazendo render o bom.
Se me tocar, desencadeio as chusmas,
os peixinhos cardumes.
Os topázios me ardem onde mamãe sabe,
por isso ela me diz com ciúmes:
dorme logo, que é tarde.
Sim, mamãe, já vou:
passear na praça em ninguém me ralhar.
Adeus, que me cuido, vou campear nos becos,
moa de moços no bar, violão e olhos
difíceis de sair de mim.
Quando esta nossa cidade ressonar em neblina,
os moços marianos vão me esperar na matriz.
O céu é aqui, mamãe.
Que bom não ser livro inspirado
o catecismo da doutrina cristã,
posso adiar meus escrúpulos
e cavalgar no torpor
dos monsenhores podados.
Posso sofrer amanhã
a linda nódoa de vinho
das flores murchas no chão.
As fábricas têm os seus pátios,
os muros tem seu atrás.
No quartel são gentis comigo.
Não quero chá, minha mãe,
quero a mão do frei Crisóstomo
me ungindo com óleo santo.
Da vida quero a paixão.
E quero escravos, sou lassa.
Com amor de zanga e momo
quero minha cama de catre,
o santo anjo do Senhor,
meu zeloso guardador.
Mas descansa, que ele é eunuco, mamãe.



VIII Concurso de Trovas da UBT-Maranguape - 2012 (Regulamento)
Posted: 20 Dec 2011 05:33 PM PST

Promoção:
UNIÃO BRASILEIRA DE TROVADORES – UBT-MARANGUAPE
                  ACADEMIA DE CIÊNCIAS, LETRAS E ARTES DE COLUMINJUBA – ACLA
                  CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO CEARÁ – CRC-CE
REGULAMENTO
1) ÂMBITO/MODALIDADE e TEMAS:
1.1. Nacional/Internacional: [uma trova para cada tema] -  “Lua” (L/F) e “gingado” (H)
1.2. Estadual: [duas trovas para cada tema]  -  “Terra” (L/F) e “dinheiro” (H)
1.3. Municipal: [duas trovas para cada tema]  -   “Mar” (L/F) e “microfone(s)” (H)
1.4. ABERTO (a todos os trovadores):  Destinado a homenagear a profissão de contador:
“Contador(a)” (L/F)  e “patrimônio” (L/F), [duas trovas de cada tema].
OBS:   a) Os trovadores de outros Estados/países poderão enviar trovas de âmbitos estadual e municipal, como participação Especial;
b) Os trovadores do Estado do Ceará não residentes em Maranguape ou não pertencentes a UBT-MARANGUAPE poderão enviar trovas de âmbito municipal como participação especial;
c) Os trovadores do Estado do Ceará poderão enviar trovas de âmbito nacional/internacional como participação especial.
d) Aberto – destinado a todos os trovadores [âmbitos nacional/internacional, estadual e municipal]. Serão feitas duas premiações na modalidade aberto: 1ª). Para trovadores de âmbito Nacional/internacional; 2ª) Exclusiva p/trovadores do Estado do Ceará, inclusive de Maranguape.
2) REQUISITOS:
Trovas líricas e/ou filosóficas e humorísticas em cada um dos temas e âmbitos, inéditas, de sentido completo, rimando o primeiro verso com o terceiro e o segundo com o quarto, sistema ABAB, devendo o tema constar na trova, na língua portuguesa.
As trovas podem ser enviadas pela internet ou através de sistema de envelopes pequenos com identificação completa interna, sem pseudônimo. A UBT-MARANGUAPE reserva-se ao direito de posteriormente publicar/divulgar as trovas selecionadas/classificadas com indicação do autor no Boletim Cultural TROVADOR MARANGUAPENSE, no Informativo ACLA EM AÇÃO e/ou em livreto com as trovas do concurso e no Programa “Brasil Trovador”, na Rádio FM Maranguape 106,3, aos domingos de 8 às 9:30 h. Para recebimento do(s) livreto(s) o(a) trovador(a) deverá efetuar o depósito do valor a ser informado posteriormente pelo Coordenador do Concurso – ref. ao valor da publicação mais despesas de correio. As trovas não serão devolvidas. Pela simples remessa das trovas o(a) concorrente aceita as normas do presente regulamento e autoriza a publicação/divulgação da(s) trova(s) não eliminadas.
3) LIMITES:      
3.1. Âmbitos nacional/internacional - no máximo uma (1) trova para cada concorrente por tema de modalidade lírica/filosófica e humorística.
3.2. Nos âmbitos Estadual, Municipal e Aberto podem ser enviadas até duas (2) trovas por concorrente, de cada tema de modalidade lírica/filosófica e humorística.
4) ENDEREÇO PARA REMESSA DAS TROVAS:
  Por e-mail: Para o endereço eletrônico ubt.mpe@gmail.com indicando nome do autor, endereço completo, fone e cep.
5) PRAZO PARA REMESSA:
Até 31 de março de 2012.
6) PREMIAÇÃO:
Troféu para o 1º. colocado e diploma para cada um dos classificados, por tema e âmbito.
A premiação está prevista para o dia 23.06.2012, na sede da ACLA, em Columinjuba/Maranguape-CE.
Obs: Serão desclassificadas as trovas que fugirem aos temas propostos e/ou sem métrica, bem como aquelas postadas ou enviadas por e-mail após 31.03.2012.
Maranguape, CE, em 20 de dezembro de 2011.
Moreira Lopes – Presidente da UBT-MARANGUAPE
Regulamento e divulgação no orkut, comunidade Maranguape, tópico trovas-Maranguape, no site do CRC-CE. 
Participe e encaminhe suas trovas pelo e-mail: ubt.mpe@gmail.com




Eliana Ruiz Jimenez (Tarde no Molhe)
Posted: 20 Dec 2011 05:27 PM PST

Uma tarde de inverno parecendo primavera. Bênção da estação para uma cidade que vive do turismo e das boas previsões do tempo.
No canto sul da praia há um molhe, uma extensão feita de pedras que adentra no mar, dando aos pescadores esportivos um lugar privilegiado para lançarem suas tralhas sofisticadas e fisgarem minúsculos peixinhos que assim perdem a chance de crescer.
O molhe também separa as águas do rio das águas do mar e o motivo principal dessa necessidade de deixá-las bifásicas é o fato do esgoto urbano não receber o tratamento devido na sua totalidade e, clandestinamente ou não, acaba sendo despejado na água doce.
As famílias lotavam o agradável recanto naquela tarde e as crianças divertiam-se no parquinho, andavam de bicicleta, empinavam pipas, nadavam. Outras comiam milho cozido e pipoca acompanhados de água de coco.
As mães entretinham-se nas lojinhas de artesanato e os pais tiravam fotos e conversavam, sentados nos bancos de madeira maciça, observando os caríssimos iates que passavam em direção ao mar aberto.
Seria um final de semana normal, não fosse o que vinha boiando no rio; primeiro algumas, como num abre-alas, depois muitas e seguidas de centenas de garrafas pet, além de embalagens de produtos de limpeza, potes de margarina, copos descartáveis, espuma, isopor e outros materiais não identificáveis, mas que também boiavam nesse ondular grotesco.
Um pai que fotografava o filho baixou a câmera sem acreditar no que via. As bicicletas pararam e as pipas enrolaram-se no céu. As pipocas caíram dos saquinhos e as mães puxaram rapidamente para fora da água as crianças que nadavam.
Lentamente, todos os que ali se divertiam vieram à margem do rio e observaram em silêncio o que era levado pela correnteza em direção ao mar.
A cidade ficou menos turística naquele momento e quem ali estava desejou estar em outro lugar.
O sol já se punha por detrás dos prédios da orla em um anoitecer alaranjado. No horizonte a primeira estrela despontava com seu brilho.
As pessoas ficaram ali paradas, estupefatas diante do próprio descaso, num jogo de empurra em que cada um não faz a sua parte pensando que somente o outro deva se incomodar com isso.
E na cidade onde os moradores misturam todo o lixo numa mesma embalagem, embora seja disponibilizada a coleta seletiva, os observadores se deram conta de que os descartes, mesmo não mais estando em suas casas, permanecem no meio ambiente, poluindo, deteriorando, prejudicando os ciclos da natureza.
Noite adentro continuou aquela procissão de detritos levados ao mar, nas incontáveis embalagens plásticas que testemunharão nos próximos 500 anos, em seu lento e imperceptível degradar, o fortuito destino da humanidade.
Fonte:
http://elianaruizjimenez.blogspot.com/


J. B. Donadon-Leal (Tapete)
Posted: 20 Dec 2011 05:26 PM PST

sobre chão
decorativo e belo
sob pés
incrédulo e submisso
eis o tapete
felpudo e macio
abrigo de pó e ácaros
em fino pano
em grosso capacho
eis o tapete
do terreno baldio
a erva daninha
do campo de futebol
o gramado
do sertão de Minas
o cerrado
eis o tapete
que protege o chão
do peso dos pés
ou os pés
do frio do chão
eis o tapete
do amparo
o amor
que se desenrola
para amaciar a caminhada
eis o tapete
do vermelho glamour dos astros
às lentes dos fãs
eis o tapete
amigo que se deixa pisar
para a glória dos outros
santificados
às custas do capacho.

Fonte:
Jornal Aldrava Cultural ANO XII /// NO. 94 /// Novembro/Dezembro / 2011 – Mariana/MG


Jeanette Monteiro De Cnop (Tecelã de Textos)
Posted: 20 Dec 2011 05:19 PM PST

Jeanette Monteiro De Cnop não se considera uma escritora, na acepção mais usual do termo, apesar de se sentir honrada por pertencer à Academia de Letras de Maringá, desde a sua fundação. Define-se como trabalhadora na seara da palavra, artesã da linguagem, ofício pelo qual se encantou desde menina, em Itaperuna (RJ). Vocação antiga!
Neste livro, Tecelã de Textos, expõe sua trajetória de vida, desde as primeiras experiências com o estudo e com o trabalho, mas especialmente com o seu fazer de professora. E é a esse abençoado labor que dedica a maior parte de sua obra. Delineia seu percurso de professora universitária e pesquisadora. Inclusive presenteia universitários de cursos ligados à docência e a professores de Língua Portuguesa (mas não só) com uma exposição minuciosa de sua prática pedagógica e dos projetos que desenvolveu na Universidade Estadual de Maringá (UEM), em especial a coordenação das “Oficinas de produção textual”.
Faz uma incursão na história do movimento trovadoresco no Estado do Rio de Janeiro e ainda recorda episódios que testemunhou nos eventos culturais de Maringá (PR), desde a primeira estada na cidade, em 1970.
Além de dedicar capítulo especial à sua obra-prima (4 filhos maringaenses), narra experiências como internauta, fala do afetivo envolvimento com alunos, com amigos e com a família, apresentando, junto a uma retrospectiva da vida, crenças, valores, justificativas para o teimoso otimismo que caracteriza toda a sua história, em construção.
No capítulo final, expõe sua maneira de ver a vida pelo ângulo da Doutrina Espírita, o que seguramente norteou a condução de sua trajetória, tanto pessoal quanto profissional, e no relacionamento com as pessoas
Permeia a obra de fotos, trovas e poemas, e conclui com pequena coletânea de textos de alunos, acadêmicos de Letras da UEM.
***


TECENDO O TEMPO
(Sobre Tecelã de textos, de Jeanette Monteiro De Cnop)
* Luciana Rabelo

“Chego aos campos e vastos palácios da memória, onde estão tesouros de inumeráveis imagens trazidas por percepção de toda espécie… Ali repousa tudo o que a ela foi entregue, que o esquecimento ainda não absorveu nem sepultou… Aí estão presentes o céu, a terra e o mar, com todos os pormenores que neles pude perceber pelos sentidos, exceto os que esqueci.  É lá que me encontro a mim mesmo e recordo das ações que fiz, o seu tempo, lugar, e até os sentimentos que me dominavam ao praticá-las. É lá que estão também todos os conhecimentos que recordo, aprendidos pela experiência própria, ou pelo testemunho de outrem.” (Santo Agostinho, Confissões)
Os leitores de Jeanette Monteiro De Cnop (e a própria Tecelã) que me perdoem o tamanho da epígrafe mas penso que os cinco períodos supraditos compõem um bloco inteiriço de poesia e realidade (que andam sempre juntas – sublinhemos – , ao contrário do que pensa muita gente desatenta). Desse modo, temi mutilá-lo, e daí a extensão demasiado longa da epígrafe, a qual me pareceu apropriada para dar início às minhas palavras sobre o livro de minha amiga, a Tecelã Jeanette Monteiro De Cnop. Seus leitores não precisam se assustar: serei breve e leve, mas não supérflua nem leviana (espero).
Tecelã de textos, que agora se reedita, tem, sim, tudo a ver com Santo Agostinho. Por quê? Porque tem a ver com esta deusa que pouco cultuamos e que muito nos enriquece, Mnemosyne, também conhecida como Memória, mãe das musas. É com o auxílio dessa deusa que Jeanette Monteiro De Cnop recupera para si e para nós a sua história e a dos seus, desde a Itaperuna natal até os nossos dias, lá na cidade que saiu da música de Joubert de Carvalho, a bucólica Maringá. Assim, pela anamnese, ou anamnésia, ou anámnesis, como queiram, a Tecelã fluminense-paranaense vai mais além das “vivências de uma professora de Língua Portuguesa”, subtítulo de seu livro. Vai ao encontro de si, de sua nascente (passado ou futuro?), de seu curso e de sua foz (futuro ou passado?), criança, adolescente-professora, mulher adulta, esposa, mãe, Professora, com todos os efes e erres, haja vista a foto da página 224, da qual sinto alguma inveja (sadia), saiba-o, Jeanette Monteiro De Cnop. Anamnese (minha forma preferida), é bom que frisemos aqui, que difere daquela que é tão-somente manobra literária, à Roland Barthes. Trata-se, portanto, de memória deliberada, voluntária (“memória-hábito, como a chama um dos grandes estudiosos do assunto, Henri Bergson), apesar de os “borbotões, numa madrugada após dias de chuva, numa temporada de férias em balneário Canoas, perto de Praia de Leste, no litoral do Paraná” fazerem-nos pensar o contrário, na “memória-pura”, espontânea, conforme ainda a tipologia bergsoniana. A “madeleine” de Jeanette é outra, não entra pela memória gustativa, como a de Marcel; mas sim pela memória intelectual.
Com isso não queremos dizer, por outro lado, que falte à Tecelã de textos a memória social, objetiva, histórica (basta que leiamos, por exemplo, logo de entrada, à página inicial, “Menininha tímida pede licença para chegar”), nem tampouco literariedade. Não, decididamente não. Quer pelo plano do conteúdo, em que a matéria é a memória da mulher e da profissional, quer pelo plano da expressão, pelo qual a “memorialista” arma seus textos verbais e não-verbais, o que dá ao livro o sentido mesmo de uma bem-acabada tessitura. A princípio, atrai-nos a experiência existencial e didática da Autora, o quê ela nos conta; à medida que a leitura avança, porém, percebemos-lhe a mensagem poética, o como ela se conta a nós. Depois da leitura de Tecelã de textos, o que nos resta é um gosto de “quero-mais”…
Obrigados nós, leitores, Tecelã Jeanette Monteiro De Cnop!
Jardim, MS, 8 de junho de 2005.
* Luciana Rabelo é professora universitária (UEMS) e Mestre em Literatura Brasileira (UNESP), com a dissertação Tempo e Memória em Os tambores de São Luís, em que analisa essa obra memorialista de Josué Montello.
Fonte:
Academia de Letras de Maringá



Guerra Junqueiro (O Rico e o Pobre)
Posted: 20 Dec 2011 05:15 PM PST

Martinho era um rapazito, que ganhava a sua vida a fazer recados; um dia, tornando de uma aldeia muito distante da sua, morto de fadiga, deitou-se debaixo de uma árvore, à porta de uma estalagem, na beira da estrada. Principiava a comer um bocado de pão que tinha trazido para jantar, quando chegou uma bela carruagem, em que vinha um fidalguinho, com o seu preceptor. O estalajadeiro correu logo a perguntar aos viajantes se queriam apear-se, mas responderam-lhe que não havia tempo, e que lhes trouxesse ali mesmo um frango assado e uma garrafa de vinho.
O Martinho ficou pasmado a olhar para eles; olhou depois a sua côdea de broa, a sua velha jaqueta, o seu chapéu todo roto, e suspirando exclamou baixinho:
– Quem me dera a mim no lugar daquele menino tão rico! Antes ele aqui estivesse, e eu dentro da sua carruagem!
O preceptor ouviu o Martinho e repetiu as palavras dele ao seu aluno; este, lançando a cabeça fora da berlinda, chamou pelo Martinho com a mão.
– Diz-me lá é rapaz: ficavas satisfeito, podendo trocar a minha sorte pela tua?
Desculpe, meu senhor, replicou o Martinho corando, aquilo que eu disse não foi por mal.
– Olha que me não zango, tornou o fidalguinho. Ao contrário, vamos fazer a troca.
– Isso é mangação!... tornou o Martinho; um menino tão rico punha-se mesmo agora no meu lugar! Papo muitas léguas ao dia, como broa e batatas, e o senhor fidalguinho anda de carruagem, janta frangos e bebe do melhor.
– Pois se me dás o que tens e que eu não tenho, levas em troca e de boa vontade a minha riqueza toda.
O Martinho ficou de olhos pasmados, sem saber o que havia de responder; mas o preceptor continuou:
– Aceitas a troca?
– Ora essa! concluiu o Martinho, é boa a pergunta! Oh! como toda a gente da aldeia vai ficar assombrada quando me virem rodar numa carruagem tão bonita.
Então o fidalguinho chamou o trintanário, que abriu a portinhola e o ajudou a descer. Mas qual foi o espanto do Martinho, vendo-lhe uma perna de pau e a outra tão fraca, que se via obrigado a andar em duas muletas! Depois observando-o de mais perto, notou que era muito pálido, com cara triste de doente.
O fidalguinho sorriu e acrescentou com ar benévolo:
– Vê Já, sempre desejas a troca? Darias, se pudesses, as tuas pernas valentes e as tuas faces vermelhas, pelo gozo de ter uma carruagem e de andar bem vestido?
Oh! não, já não quero! replicou o Martinho.
– Pois eu, antes desejaria ser pobre e ter saúde. Mas, quis o destino que fosse aleijado e doente; sofro os achaques com paciência, dando graças a Deus pelos bens que me entregou na sua infinita misericórdia. Faz tu o mesmo, e lembra-te que, se és pobre e comes mal, tens força e saúde, coisas que valem bem uma carruagem, e que não podem comprar-se com dinheiro.
Fonte:
Guerra Junqueiro. Contos para a infância.



Ademar Macedo (Mensagens Poéticas de Natal n. 430)
Posted: 20 Dec 2011 05:07 PM PST

 Uma Trova Nacional
Deus-menino não reclama
mas a verdade é cruel:
- no natal, quem leva a fama,
é sempre o papai Noel!


–FRANCISCO PESSOA/CE–
Uma Trova Potiguar
Eu fico feliz porque,
em Dezembro em peço assim:
Feliz Natal pra você...
como eu desejo pra mim.
–LUIZ XAVIER–
Uma Trova Premiada
2007 - Caicó/RN
Tema: NATALINO - 2º Lugar
Na manjedoura em Belém,
nasce um mistério profundo:
Uma luz vinda do além,
que se fez a luz do mundo!


–PROF. GARCIA/RN–
...E Suas Trovas Ficaram
É Natal! Lá na favela,
no seu barraco sombrio,
ele encontrou na janela
o tamanquinho vazio!...


–CAROLINA A. DE CASTRO/PE–
Uma Trova de Ademar
Num Natal que nos irmana,
onde o vinho é o que reluz,
numa ceia assim profana...
Não há lugar pra Jesus.

–ADEMAR MACEDO/RN–
Simplesmente Poesia
Natal Moderno.


–NEMÉSIO PRATA/CE–

É dezembro, mês de festa,
Festejamos o Natal,
Não existe festa igual!
Festa simples e modesta,
Não há festa tal qual esta!
Tem anjo, tem querubim,
Tem arcanjo e serafim,
Tem rei mago com presente;
O coral canta dolente
O chegar do “meninim”!
Mas também tem muita gente
Correndo, daqui pra ali,
Num terrível frenesi,
Atrás de comprar presente;
Êta Natal diferente!
Nesse “fuxico” infernal,
De cunho comercial,
Vê-se o povo em “agonia”,
Falsificando alegria;
Nem parece que é Natal!
Estrofe do Dia
Nos “Natais” eu me comovo,
Mas, é, pelo Deus menino;
e não vou na onda do povo
nem aceito o desatino
desse velho barrigudo,
dá presente a quem tem tudo,
nem vai na periferia;
é na verdade um engano,
ele só vem de ano em ano
e Jesus, vem todo dia!...

–ADEMAR MACEDO/RN–
Soneto do Dia
Soneto Natalino.


–REGINALDO ALBUQUERQUE/MS–
Quando Se deixou ir ao vil calvário
entre os braços horríveis de um madeiro,
cheio de amor, de paz, mas solitário,
Jesus morrendo salva o mundo inteiro.
Com sublimado verbo O humilde obreiro,
liberto de Si mesmo, em cruel fadário,
pregando o ideal de amor bem verdadeiro,
resgata os homens de um viver nefário.
Natal!... A imagem de Jesus pendida...
No Seu olhar piedoso a indagação:
– “Todos vós, que fazeis por esta vida?”
Quanta gente carente de luz, temos
e se não cremos no outro como irmão,
como aceitar um Deus que nunca vemos?

Fonte:
Textos e imagem enviados pelo Autor


Conto Popular Árabe (História da Donzela de Pau)
Posted: 20 Dec 2011 05:00 PM PST

Contam os livros do passado muitas histórias verdadeiras. Por exemplo, que um  dia quatro homens: um carpinteiro, um ourives, um alfaiate e um monge, foram viagem. Depois de viajarem certo tempo, aconteceu terem  que tiveram de passar a noite numa região perigosa. Temendo ser agredidos por animais ferozes, resolveram que cada um deles, por sua vez, vigiaria algum tempo. O primeiro foi o carpinteiro. Enquanto os outros dormiam, sentiu-se ele invadido de cansaço e, para afugentar o sono, pegou suas ferramentas. Derrubou uma árvore delgada, pôs-se a talhar a madeira, e acabou formando uma figura de donzela, com a cabeça, a mãos e os pés.
Depois foi a vez do ourives. Ao cabo de certo tempo, também este sentiu sono e procurou em que se ocupar. Então seus olhos encontraram a donzela de pau.
Admirou a arte com que estava feita e, para não ceder à sonolência, também deu provas de sua habilidade, fabricando para a estátua brincos, braceletes e outros adornos femininos, com os quais a enfeitou maravilhosamente.
Terminada a vigília do ourives, o alfaiate, por seu turno, ao despertar, avistou, com forte surpresa, o lindo figurino, e exclamou:
- Eu também tenho de mostrar a minha arte.
E fez um encantador vestido de festa para a donzela e vestiu-a da cabeça aos pés Quem a visse  sem saber que era apenas uma figura esculpida, toma-la-ia por um ser vivo, tão parecido estava com um espírito encarnado.
Quando a vigília do alfaiate chegou ao fim, ele acordou o monge e foi deitar-se. Mal o monge abriu os olhos, viu a formosa figura. Teve a impressão de um viandante a cujos olhos, em meio as trevas noturnas, de repente rebrilha uma luz - e aproxima-se dela. Que viu? Uma linda figura de tal formosura que nem ascetas e anacoretas a deixariam de adorar; uma bela donzela  sem-par;  suas sobrancelhas, um oratório, para o amante suplicante rezar; os rubis dos lábios numa tez de marfim prometiam prazeres sem fim. Logo o monge os braços alçou implorando a Quem as almas criou:
– Ó Deus todo-poderoso, que do seio do nada brumoso -para os campos floridos do ser  arrancaste o homem e a mulher, tu, só tu, tens o poder de fazer brotar do córtice duro fruto doce, fofo, maduro; ó Deus, demonstra-me tua graça, não me precipites na desgraça, ante os meus companheiros não me humilhe; eu te invoco, empresta alma a este corpo oco a fim de que goze da existência exaltando a tua clemência.
Assim rezava com todo fervor. Como fosse homem de coração puro, o Senhor ouviu-lhe a prece. Com sua inesgotável misericórdia, o Eterno presenteou a estátua com uma alma, e mandou-a viver. Ela se tornou uma linda donzela, cola a vida ligada a uma brilhante estrela; - começou a andar,  a se balancear, como os ciprestes oscilam no ar e sem demora se pôs a falar, e tudo o que dizia era gaio como a fala de um papagaio.
Ao chegar da aurora e, com ela, do Sol, delicia do mundo, as olhos dos quatro viandantes caíram sobre o ídolo arrebatador chamado à vida durante a noite.
Apenas viram a esplêndida mulher, uma louca paixão lhes invadiu o ser, os anéis de seus cabelos prenderam-nos em cadeias e feitos moscas ao redor e candeias, voaram em torno dela, dementes, e de paixão doentes -os quatro começaram a brigar.
Sou eu - disse o carpinteiro - de sua vida o autor verdadeiro. Meu direito a vós outros vence; a mim, só a mim ela pertence
Porém o ourives falou assim:
Não lhe dei brincos, braceletes, enfim? Isso, como todos devem saber, é metade da alma de uma mulher. Ora, se tanto fiz por ela, claro que é minha esta donzela.
Disse o alfaiate, por sua vez:
Despesas com da minha bolsa também fez; vesti-a seda e brocado, tomando o seu encanto perfeito e acabado comunicando-lhe um brilho tal que acendeu nela a chama vital. Portanto, sou eu o sou dono, e a ninguém a abandono.
Mas o monge exclamou:
Não! - Tudo o que disseste é vão. Então esqueces me sua vida é fruto de minhas preces?  Foi a mim que deu o Supremo Juízo, como antegozo das huris do Paraíso. Para mim a requisito;  meu direito é manifesto!.
Em poucas palavras. não encontraram outra saída a não ser se meter suas reivindicações à decisão de um tribunal; e iam-se caminhar ao mais próximo, quando aparece diante deles um viandante vestido de pano de chita. Logo os quatro resolvem fazê-lo árbitro de sua divergência o aceitar qualquer sentença ele pronunciasse. Chamaram-no, pois. e contaram-lhe minuciosamente todo o sucedido. Mas logo o daroês viu a linda donzela - apaixonou-se por ela e, como flauta plangente, entrou a gemer de repente,  refletiu no momento e, para curar o seu próprio tormento, assim falou aos quatro viajantes:
- Ó muçulmanos que palavras estultas acabais de pronunciar! Não temeis o Todo-Poderoso ao cometer tamanho crime querendo-me roubar minha legítima esposa?
Um de vós até ousa pretender havê-la talhado na madeira; outro ter pronunciado uma prece por ela. Dizei, afinal, algo de razoável, algo de possível segundo a lei divina! Esta é a minha mulher e as vestes e os objetos que ela usa, fui eu que mandei fazê-los. Alguns dias atrás, houve entre nós uma briga sem importância; aborrecida com isso, minha mulher deixou a casa esta noite. O desejo de encontrá-la fez-me ir à procura dela. Graças a Deus consegui encontrá-la, efetivamente. Cuidai vós outros pois, de não vos tonardes ridículos com conversas, destituídas de qualquer fundamento.
Assim o daroês, em vez de resolver a contenda, sobrepujou as reivindicações dos quatro viajantes, e então foram cinco a pretender cada um estar com razão contra os demais. Em discussões e brigas chegaram a uma cidade, e sem demora se dirigiram ao chefe de polícia para expor o seu caso. Mal o chefe de policia viu a jovem, apaixonou-se por ela com veemência mil vezes maior do que a dos cinco forasteiros, e, no intuito de obtê-la para si investiu deste modo contra eles:
- Homens pérfidos, esta criatura era mulher de irmão mais velho. Este foi morto por ladrões, que lhe roubaram a esposa. Mas, graças a Deus, sangue derramado não se perde e vossos pés vos conduziram ao laço.
Destarte o chefe de policia terminou sendo um rival mais impetuoso ainda que os outros cinco; mandou citá-los sem tardança perante a justiça e ele mesmo os acompanhou ao cádi. Cada um se esforçava por explicar sua pretensão àquele respeitável personagem, quando ele de súbito olhou para o rosto da mulher, e
Surgiu-lhe ante os olhos formosa menina,
Dos pés a cabeça – graciosa, divina!
Altivo cipreste, perdido deixava,
Enfermo de amores, a quem fitava.
Quando o cádi viu ante si essa criatura, sentiu-se presa do desejo de possuí-la.
- Meus amigos, disse ele, a contenda que estais levantando é nula. Esta linda mulher é uma escrava crescida em minha casa e tratada desde criança como se fora minha filha. Seduzida por homens maus, abandonou-me, levando as jóias e as vestes com que a vedes. Graças sejam dadas ao Altíssimo que ma restitui mercê de vossa obsequiosidade. Espero que Deus, que tudo sabe, leve em conta o serviço que me acabais de prestar e vos dê merecido prêmio.
Ao ouvir tais palavras, quatro dos competidores de apartaram, porque sabiam que o cádi lhes poderia infligir humilhações e castigos sem que eles se pudessem defender. Mas o darôes teve coragem para levantar a voz:
- Achas lícito, tu que pretender estar sentado no tapete do Profeta, não resolver uma contenda de muçulmanos ortodoxos segundo a lei sagrada, mas, pelo contrário, levantar tu mesmo uma pretensão, procurando arrebatar-nos esta donzela? Que religião te autoriza semelhante injustiça? Como te atreverás a comparecer amanhã, perante o Criador do mundo?
- Olha, ladrão de estátuas – respondeu o cádi, tu que por meios de jejuns encovaste as faces para enganar as gentes; tu que pretender fazer crer que andas curvado pelo temor de Deus, olha o provérbio que diz: “Um bom mentiroso deve ter não só excelente memória, mas também uma inteligência penetrante e aguda.”
Onde a tua inteligência? Querendo contar-nos patranhas, procura, ao menos, dar-lhes uma aparência decente. Será possível fazer um ser humano de um pedaço de madeira? Renuncia a pretensões tão ridículas e vai-te para onde quiseres. Eu felizmente recuperei minha escrava.
Havia no pátio do tribunal alguns cidadãos que assistiam à disputa. Referindo-se a estes, disse o monge:
- Os cidadãos aqui presentes, como ignoram o verdadeiro estado das coisas, devem supor, ó cádi, que a verdade está contigo Mas nós outros sabemos bem o que aconteceu.Teme pois, a Deus, e, em respeito ao Santo Profeta, decide o caso segundo a lei sagrada.
O cádi replicou ao monge, o monge por sua vez respondeu ao cádi com as palavras que lhe pareceram mais violentas, e de pronto o diálogo se transformou em veemente discussão.Os sete homens, todos mortalmente apaixonados, preparavam-se para a luta. Porém, os mais razoáveis dos circunstantes deliberaram reconciliá-los e disseram-lhes:
- Muçulmanos, a vossa contenda é um nó insolúvel, a menos que o Magnífico se digne desatá-lo. Portanto, atendendo ao conselho de um ditado do Profeta que nos foi transmitido:
Se a um caso da vida não sabes achar solução,
Consulta os que dormem seu sono debaixo do chão.
- Vamos todos juntos ao cemitério; ali vós rezareis e nós pronunciaremos o amém Destarte se pode esperar que Aquele-Que-Tudo-Segura elucide o mistério.
A proposta foi aceita e transportaram-se todos ao cemitério, onde o monge, erguendo os braços ao céu, e com lágrimas nos olhos, pronunciou com o mais intenso fervor, esta oração:
- Ó Fortíssimo, cujo poder não tem lindas, - que os pensamentos mais secretos deslindas -, cuja mente de antemão conhece – a nossa prece, - imploramo-te que desates o nó, que nos causa tanto dó – e declares bondosamente – quem diz a verdade e quem mente.
Quando acabou de pronunciar estas palavras, toda a assembléia exclamou a uma voz:
- Amém!
Nesse instante aconteceu que uma grande árvore, à qual se recostara a linda donzela durante a oração, fendeu-se de súbito, engoliu a donzela, e novamente se fechou, ficando como dantes. Dessa maneira se verificou mais uma vê a verdade da misteriosa sentença: “Todas as coisas voltam a sua origem.”
Tal desfecho pôs fim a qualquer discussão. Com os olhos da certeza, todos reconheceram que os quatro viajantes haviam dito a verdade e os outros homens haviam mentido. Assim a razão dos peregrinos se manifesta e desmascara-se a fraude infesta. O darôes, o chefe de polícia e o cádi ali ficaram e quedaram de todos desprezados e envergonhados.
Mas os quatro peregrinos – apaixonados pelo lindo figurino, ficaram perplexos ao ver a virgem – tornar destarte à sua origem.
Fonte:
Jô Andrada (seleção). Contos Populares do Mundo.



Júlia Cortines Laxe (Poesias Escolhidas)
Posted: 20 Dec 2011 04:42 PM PST

COLOMBINA
Mascarada mulher o rabecão trouxera.
Morrera em pleno baile a frágil Colombina
E, no egrégio salão de culto à Medicina,

O professor leciona, em voz veemente e austera:
-"Rapazes, contemplai! É rameira e menina.
Tombou ébria novicio e com certeza era
Devassa meretriz, mistura de anjo e fera,
Flor de lama e prazer, Vênus e Messalina.”.
Em seguida, a cortar, rompe a seda sem custo,
Desnuda-lhe, solene, a alva pele do busto,
Afasta, indiferente, as flores de rendilha...
No entanto, ao descobrir-lhe a face triste e bela,
O mestre cambaleia e chora junto dela...
Encontrara na morta a sua própria filha.


INTERROGAÇÃO
Contemplo a noite: a cúpula estrelada
do firmamento sobre mim palpita;
meu olhar, que a interroga, embalde fita
o olhar dos astros, que não veem nada:
“Nessa amplitude lôbrega e infinita
que inteligência ou força inominada
numa elipse traçou a vossa estrada,
estrelas de ouro, que o mistério habita?
Dizei-me se, transpondo a imensidade,
alguma cousa a vós minha alma prende,
um vínculo de amor ou de verdade.
Dizei-me, o fim da nossa vida agora:
para que serve a luz que em vós resplende,
e a oculta mágoa que em meu seio mora?...”
O LAGO
Um pouco d'água só e, ao fundo, areia ou lama,
Um pouco d'água em que, no entanto, se retrata
O pássaro que o voo aos ares arrebata,
E o rubro e infindo céu do crepúsculo em chama.
Água que se transmuda em reluzente prata
Quando do bosque em flor, que as brisas embalsama,
A lua, como uma áurea e finíssima trama,
Pelos ombros da noite a sua luz desata.
Poeta, como esse lago adormecido e mudo
Onde não há, sequer, um frêmito de vida,
Onde tudo é ilusório, e passageiro é tudo,
Existem, sobre um fundo, ou de lama ou de areia,
Almas em que tu vês, apenas, refletida
A tua alma, onde o sonho astros de ouro semeia!


ÚLTIMA PÁGINA

Antes de mergulhar no silêncio da morte,
Ou da idade sentir a fraqueza e o torpor,
Eu quisera lançar, num supremo transporte,
Meu grito de revolta e meu grito de horror.
Mas sei que por mais forre e por mais estridente
Que ela corra através do infinito, até vós,
Ó céus, que além brilhais numa paz inclemente,
Nem qual brando rumor chegará minha voz!
Mas sei que não há dor que a natureza vença,
E que nunca a fará de leve estremecer
Na sua eternidade e sua indiferença
O lamento que vem dum transitório ser.
Mas sei que sobre a face execrável da terra,
Onde cada alma sente, em torno, a solidão,
Esse grito, que a dor duma existência encerra,
Não irá ressoar em nenhum coração.
Contudo, num clamor de suprema energia,
Eu quisera lançar minha voz! Mas a quem
Enviar esse brado imenso de agonia,
Se para o compreender não existe ninguém?!
FRACOS
Fracos, odeio a inércia e detesto a fraqueza.
Prefiro a mão que esmaga ou que vibra o punhal
À doce e inconsciente e nefasta moleza,
Que é para a alma do forte um veneno mortal.
Como de encontro à costa, em ondas remansadas
Chora o mar, ou se atira em bravos vagalhões,
Assim de encontro a vós, almas adormentadas,
Fremem de ódio e de amor os nossos corações.
Almas fracas, fugindo à aspereza das lides,
Sem um esforço para às correntes opor,
Pelo rio do tempo arrebatadas ides,
Desta ou daquela vaga a boiar ao sabor.
Que vos importa a vós a agonia da luta,
A ânsia de possuir, o infinito aspirar?
Que vos importa a vós a decepção que enluta,
Se não sabeis querer, nem sabeis adorar?!
A VINGANÇA DE CAMBISES
Disseram — diz o rei a Prexaspes — que o vinho
Sobe presto à cabeça em denso torvelinho
De vapores, e a febre, o delírio produz,
Que irradiam no olhar uma sinistra luz.
Ou, pouco a pouco, pelo organismo se entorna,
Qual onda de torpor, voluptuosa e morna?
Disseram; e tu tens a ousadia de vir
Em face de teu rei palavras repetir
De estultos, e afirmar que o vinho afrouxa braços
Que fazem, como os meus, os reinos em pedaços?
Ao contrário; verás; (e bêbado entesou
No arco a flecha) porém é preciso que aponte
Um alvo; — o coração de teu filho.
E atirou,
Da criança, que nele o doce olhar fitava,
— Olhar que o etéreo azul do infinito espelhava, —
Varando lado a lado o peito e o coração.
E o pai disse, curvando humildemente a fronte:
— "Nem de Apolo é mais firme e mais certeira a mão.”

Fontes:
Frâncisco Cândido Xavier. Antologia dos Imortais.
http://literaturaemvida2.blogspot.com/2010/11/julia-cortines-laxe-poeta-e-mulher.html
http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/rio_de_janeiro/julia_cortines.html



Júlia Cortines Laxe (1868-1948)
Posted: 20 Dec 2011 04:36 PM PST

Júlia Cortines Laxe nasceu em Rio Bonito, Província do Rio de Janeiro, no dia 12 de dezembro de 1868, e faleceu no Rio de Janeiro (então Capital Federal), no dia 19 de março de 1948. Apesar de sua longevidade (viveu quase oitenta anos), pouco se sabe de sua vida, supondo-se que haja sido professora
Não reconhecida devido ao preconceito de então, visto que o crítico literário, José Veríssimo, após a publicação de seu segundo livro, em 1905, tenha declarado que "Os poemas de Júlia Cortines distanciam-se magnificamente da poesia de água-de-cheiro e de pó-de-arroz da musa feminina brasileira, e revelam em Júlia, mais que uma mulher que sabe sentir, alguém que sente com alma e coração e de forma que disputa primazias com nossos melhores poetas contemporâneos.”
Sua poesia é carregada e vibrante, como se pode ver no poema “Fracos”.
Poeta parnasiana, como Francisca Júlia, Júlia Laxe também colaborou em revistas como A semana e A Mensageira, da paulista Presciliana Duarte de Almeida, lançada em 19 de outubro de 1897, que se tornou um dos principais espaços da mulher escritora do final de século XIX/início de XX e onde também escreveram a citada Narcisa Amália, Anália Franco, Júlia Lopes de Almeida, Francisca Júlia (link para minha postagem), Auta de Souza (confira a postagem), nomes igualmente de peso na época. (Informação in Revistas em revista: imprensa e práticas culturais em tempos de República, São Paulo (1890-1922)) de Ana Luiza Martins – Fapesp – Edusp – pág. 374-375)
Obras
Versos (1894) e Vibrações (1905), a respeito do qual, José Veríssimo fez os elogios.
“Júlia Cortines” – diz Péricles Eugênio da Silva Ramos (Pan.III, pág.246) – “é uma das poetisas selecionadas por Valentim Magalhães para figurarem na parte antológica de A Literatura Brasileira (1870 -1895). Sua poesia afigura-se realmente parnasiana, de um comedimento e boleio de frases semelhantes ao de Francisca Júlia.” É ela, segundo afirma o poeta e ensaísta Darcy Damasceno (in A Lit. no Brasil, III. T.1, pág.376). quem “abre o desfile dos epígonos parnasianos”.
Sentimento, emoção, cuidado da forma, beleza expressional e correção étrica caracterizam-lhe os poemas, levando José Veríssimo a compará-la a celebre poetisa italiana Ada Negri (Apud E. Werneck, Ant. Brasileira pág. 507. (Rio Bonito, Estado do Rio, 12 de Dezembro de 1868 – Desencarnou em 19 de março de 1948.)
Fontes:
Frâncisco Cândido Xavier. Antologia dos Imortais.
http://literaturaemvida2.blogspot.com/2010/11/julia-cortines-laxe-poeta-e-mulher.html
http://www.globaleditora.com.br/NEWSITE2/Gaia/Loader.aspx?ucontrol=ZmljaGFBdXRvcg==&autorID=3482



Adélia Prado (Cacos para um Vitral)
Posted: 20 Dec 2011 04:33 PM PST

No caderno de Glória: um romance é feito das sobras. A poesia é núcleo. Mas é preciso paciência com os retalhos, com os cacos. Pessoas hábeis fazem com eles cestas, enfeites, vitrais, que por sua vez configuram novos núcleos. Será este pensamento vaidoso? Por certo. Quero ser um poeta extraordinário e desejo poder escrever um teatro muito engraçado pra todo mundo rir até ficar irmão.
Glória decifrou o garrancho na nota de um cruzeiro: "Ontem fiz quinze anos e fui a primeira vez na Figueirinha. Dei Cr$ 50,00 pra mulher ela ainda me deu troco. Não tava ruim nem bom."
Juca entrou esfregando as mãos: — Tá um frio de matar velho! — Se quer capote, na segunda prateleira da cozinha tem. Juca bebeu e saiu. Tivesse ou não, brigado com a Naná, a cada dia ele bebia mais. Estará certo, pensou Glória, facilitar desse modo a cachaça do Juca? Estarei sendo leviana? Estava.
Ritinha: — Mãe, se eu morrer cê chora? Glória: — Ih! Choro até secar.
Glória ouviu de relance os peões almoçando na obra: — Rico tinha que nascer tudo morfético. — Tem rico legal, sô! — Tem não.
Ritinha chegando da escola: — Mãe, eu laía e a Fostina envinha. Ela envinha aqui?
— Que é isso? Existe o verbo lair e envir?
— A senhora também fala assim.
— Falo mesmo.
— Então...
— Então nada. É porque eu gosto muito da minha filhinha e quando a gente gosta, chateia um pouquinho.
Anselmo Vargas beijava Sônia Margot na novela das sete. O menininho de Matilde pediu: mãe, muda o programa. Meu pintinho fica ruim.
— Dona Glória, eu fiquei incurvida.
— O quê?
— É, sobrou pra mim a obrigação de catar neste quarteirão as esmolas pro Natal dos pobres.
— Ah! — O apostolado, cuja eu sou membra é que me incurviu.
— Entra, Fostina.
— Não, se eu delatar, atrasa pra mim.
A placa indicava na estradinha de chão: Sítio do AU PURO. Alguém tinha consertado: Sítio do AR PURO. Gabriel parou o carro e escreveu em baixo, sítio do AL PURO. No lugar voava sem pressa uma linda borboleta amarela e preta.
Copiado por Gabriel, do sanitário da rodoviária: PEDE NÃO HORINAR NO VÁS.
Remexendo papéis, Glória achou uma notação com sua letra: "retalho de poesia dá excelente prosa." Não se lembrava mais por que escrevera aquilo. "Retalho de poesia dá excelente prosa, como retalho de hóstia dá excelente sopa", descobriu escrito mais embaixo. Ainda: "Privada pública" é uma impropriedade. Empregada chama as amigas invariavelmente de colegas. Deus é fiel, no entanto vacilo, amo com reservas, deixo que pequenas nódoas confundam minha alegria. Quando serei evangelicamente generosa, confiante como um menino para quem o Reino está preparado?"
Fonte:
"Cacos Para Um Vitral", Editora Rocco, 1989.



Ademar Macedo (Mensagens Poéticas de Natal n. 429)
Posted: 20 Dec 2011 04:29 PM PST

 Uma Trova Nacional
Seria o Natal agora
de valor mais consistente,
se a luz que brilha por fora
brilhasse dentro da gente!

–ARLINDO TADEU HAGEN/MG–

Uma Trova Potiguar
Neste Natal Reluzente
de uma ternura sem fim,
não peço a Deus um presente,
peço Deus presente em mim!

–JOSÉ LUCAS DE BARROS/RN–
Uma Trova Premiada
2002 - Garibaldi/RS

Tema: NATAL - 1º Lugar
Papai Noel, por favor,
no Natal, afasta os medos,
e coloca mais amor
no meio dos teus brinquedos!

–DELCY CANALES/RS–
Uma Trova de Ademar
Peço a Noel que ele faça
com toda bondade sua,
um grande Natal na praça
para as crianças de rua.

–ADEMAR MACEDO/RN–
...E Suas Trovas Ficaram
É Natal... Com humildade
faço um pedido, em segredo:
- que eu ganhe a felicidade
nem que seja de brinquedo!
–J. G. DE ARAÚJO JORGE/AC–
Simplesmente Poesia
Sempre Natal.

–VANDA FAGUNDES QUEIROZ/PR–
Pelas voltas do tempo, houve mudança
nos festejos da data do Natal,
mas não me esqueço quando era criança,
e tudo era mais simples afinal.
Papai montava caixas, lá no canto
da sala tão modesta e pequenina.
Mamãe armava o presépio. E que encanto
fascinava minha alma de menina!
Os três magos, em fila, meio sérios,
olhavam Jesuzinho no seu berço.
À luz da vela eu via mil mistérios,
e então a minha mãe puxava o terço.
Papai partiu. Depois, mamãe também.
Hoje, tudo se fez modernidade.
Mas eu conservo o amor, a luz e o bem
do Natal do meu lar, que hoje é saudade.
Se o mundo ao meu redor parece novo,
persiste o verdadeiro, o essencial.
Seja quando e onde for... na alma do povo
nasce Jesus! Natal sempre é Natal.
Estrofe do Dia
No barraco da favela,
não existe luz acesa;
lá na noite de Natal,
falta luz, sobra pobreza;
Natal, lá, é o mesmo drama,
falta presente  na cama,
e pão em cima da mesa.
–LUIZ DUTRA/RN–
Soneto do Dia
Novo Natal


–FRANCISCO MACEDO/RN–

Eu fiz um soneto falando da dor,
de pobres crianças, em mais um Natal.
Carentes de tudo, de pão e de amor,
um sonho maior, que se fez sazonal.
Eu quero dizer ao Noel, ”parcial”:
lembrai cada filho do trabalhador,
querendo somente um olhar paternal,
recebe uma noite, sem luz e sem cor!
Você, Pai Noel, sem amor pelos pobres,
desfila o trenó pelos bairros mais nobres,
esquece, no morro, a criança infeliz.
Em nome dos pobres, eu tenho uma queixa:
você, velho ingrato, retorna e não deixa,
sequer um brinquedo, que um rico não quis.

Fonte:
Textos enviados pelo Autor


Monteiro Lobato (Reinações de Narizinho) Cara De Coruja – IV - O Pequeno Polegar
Posted: 20 Dec 2011 04:17 PM PST

O Visconde gritou mais uma vez:
— Vem vindo uma poeirinha tão pequenininha que até parece poeira de camundongo!...
— Quem poderá ser? — exclamaram as princesas, interrompendo a conversa.
Logo depois ouviu-se um tic, tic, tic, na porta, e Rabicó anunciou:
— Um senhor pingo de gente com umas botas maiores do que ele!
— O Pequeno Polegar! — gritaram as princesas — e acertaram.
Esquecidas de que eram famosas princesas, foram correndo receber o pequenino herói.
Era ele o chefe da conspiração dos heróis maravilhosos para fugirem dos embolorados livros de dona Carocha e virem viver novas aventuras no sítio de dona Benta. Polegar já havia fugido uma vez, e apesar de capturado estava preparando nova fuga — dele e de vários outros. Emília ficou num assanhamento jamais visto. Agarrou o heroizinho e o não largou mais. Botou-o no colo, fê-lo contar toda a sua vidinha.
Depois levou-o ao seu quarto de boneca para mostrar-lhe a porção de brinquedos que tinha.
— Antes de mais nada, tire as botas. Nem sei como o senhor tem coragem de andar com tamanho peso nos pés...
— É que sem elas não valho nada. Sou pequenino demais e fraco, mas com estas botas não tenho medo nem de gigante.
— E de elefante?
— Nem de elefante, nem de hipopótamo, nem de rinoceronte, nem de girafa, nem de anão mau, nem de serpente...
— E de jacarepaguá? — perguntou ainda a boneca, para quem jacarepaguá devia ser o monstro dos monstros.
— Nem de jacarepaguá, nem de nada. Cada passo desta bota anda sete léguas. Acha que um jacarepaguá , pode me pegar?
— Que beleza! — exclamou Emília extasiada. — Eu, se fosse o senhor, deixava-as aqui no sítio por uma semana. Que bom! Poderíamos brincar o dia inteiro de estar aqui e estar lá no mesmo instante...
Das botas passou aos seus brinquedos. Mostrou-lhe uma coleção de feijões pintadinhos que tia Nastácia lhe dera, o pincel de goma-arábica que lhe servia de vassoura e mil coisas. Polegar gostou de tudo, principalmente dum pito velho que tinha sido de tia Nastácia — um pito sem canudo. Gostou tanto que a boneca lhe disse:
— Pois se gosta, leve, que arranjo outro. Mas, com perdão da curiosidade, para que é que o senhor quer esse pito?
— Para brincar de esconder — respondeu o pingo de gente dando um pulo para dentro do pito e ficando tão bem escondidinho que ninguém seria capaz de o descobrir.
Emília era muito interesseira. Gostava de receber presentes, mas não de dar. O único presente que deu em toda a sua vida foi aquele pito. Mesmo assim, mais tarde, quando se lembrava do pito vinha-lhe um suspiro.
Estavam naquilo quando rompeu um grande rumor na sala. A boneca foi correndo ver o que era. Encontrou Branca de Neve muito assustada dizendo a Rabicó:
— Não abra! É o malvado que matou seis mulheres!...
–––––––
Continua... Cara de Coruja– V – Barba Azul
Fonte:
LOBATO, Monteiro. Reinações de Narizinho. Col. O Sítio do Picapau Amarelo vol. I. Digitalização e Revisão: Arlindo_Sa



José Carlos Dutra do Carmo (Manual de Técnicas de Redação) Parte XVIII
Posted: 20 Dec 2011 04:14 PM PST

SINAIS.
Faça o til e o cedilha com nitidez, e não simples rabiscos ou traços confusos e inexpressivos.
SINESTESIA.
É uma espécie de metáfora que consiste na união de impressões sensoriais diferentes.
Use-a, se puder, para, através de duas sensações, indicar mais vivamente um objeto ou ser.
Um grito áspero, palavras douradas, cheiro quente.
O cheiro doce e verde do capim trazia recordações da fazenda...
A presença inesperada do sumo pontífice no encontro comoveu a todos. O toque de mão suave, o semblante sereno, o leve odor de rosas que emanava de sua presença provocou em todos uma sensação de paz.
SOLECISMOS.
Ocorre quando há desvios de sintaxe quanto à concordância, regência ou colocação.
Obedeça o chefe.
Quem fez isso foi eu.
Faltou muitos alunos no dia do jogo da Seleção do Brasil.
Que fique bem claro uma coisa: as frases acima estão gramaticalmente incorretas.
SUBSTANTIVO, VERBO.
Abuse do uso de substantivos e verbos. Seja sovina com adjetivos e advérbios. Eles são os inimigos do estilo enxuto.
Matar ou matar. De quebra, morrer. No campo de batalha o soldado pouca chances tem de escolhas diferentes dessas.
A tarde cai. O céu escurece rapidamente, como convém à estação outonal. O silêncio vai se instalando na pequena vila onde, a partir de agora, só o luar iluminará as ruas.
SUJEITO.
A menos que queira enfatizar muito o sujeito, ou precise evitar confusão na interpretação sobre quem está falando, omita o pronome sujeito, ou não abuse de seu emprego.
Ao longe, avistaram um velho abatido vindo ao encontro deles. Decidiram parar. “Credo! Isso é coisa do demo!”, falou o terceiro se benzendo. É... e eles tinham razão.
Pedro resolveu omitir seu nome. Na verdade, ninguém precisaria  saber que  era filho de  empresário famoso; nada lhe acrescentaria de bom e, ao contrário, poderia tornar-se alvo de bandidos naquela região perigosa do Rio.
SUPERLATIVOS.
Cuidado com “superlativos criativos” do tipo “mesmamente”, “apenasmente”, etc.
SUSPENSE.
Quando quiser criar suspense, acumule dados, ação inesperada, apresente conseqüências, deixando a causa para o final.
Todos estavam apreensivos, esperando o anúncio do vencedor do concurso. O mestre-de-cerimômias abre a solenidade com uma longa lista de agradecimentos. A cada nome, a ovação da platéia interrompe o correr da solenidade. Começa agora a leitura dos nomes dos vencedores. Juliano está com o coração na mão. O envelope vai ser aberto. Mas tudo escurece subitamente. Não é que falta luz no exato momento em que os nomes seriam anunciados! Juliano não agüenta a ansiedade.
TAMANHO DAS LETRAS.
Escreva com letras médias (nem muito grandes, nem muito pequenas). Letras muito pequenas vão dificultar a correção do texto e letras muito grandes vão proporcionar poucas palavras em cada linha e, conseqüentemente, uma abordagem superficial do assunto.
TELEGRAMA.
É utilizado para comunicação urgente. Deve-se suprimir do pequeno texto qualquer palavra dispensável, como artigos, preposições, conjunções e sinais de pontuação. Ponto será grafado com PT e vírgula com VG.
TEMA.
Leia o tema que vai desenvolver com atenção, analisando com profundidade as idéias nele contidas.
Fácil ou difícil, agradável ou não, o tema terá que ser enfrentado. A melhor atitude será recebê-lo com simpatia, disposição e otimismo.
Redija usando argumentos fortes e consistentes. O floreio e o enche lingüiça nada acrescentam à qualidade do texto de uma redação.
O tema é o assunto sobre o qual se escreve, ou seja, a idéia que será defendida ao longo da dissertação. Deve tê-lo como um elemento abstrato. Nunca se refira a ele como parte do texto.
Não fuja do tema proposto, nem invente títulos, escolhendo outro argumento com o qual tenha maior afinidade. O distanciamento do assunto pode custar pontos importantes na avaliação da redação.
Não fugir do tema significa abordá-lo da maneira como foi proposto, isto é, nem restringindo demais a abordagem nem extrapolando para assuntos que não tenham relação direta com ele.
Se o seu objetivo é ser favorável à privatização das estradas, use argumentos sólidos que justifiquem o porquê de sua posição. Tente convencer o leitor e mantenha clara a sua opção.
Se o tema for “O clima do Brasil”, não adiantará fazer uma obra-prima versando sobre “O clima de Minas Gerais”, porquanto o seu trabalho resultará inútil. Os corretores vão considerar que houve fuga ao tema proposto. Sabe qual a nota que terá nesse caso? ZERO!
Quais os temas que podem cair nas provas de Redação? A tendência das bancas examinadoras tem sido solicitar dois tipos de temas: objetivos, os relacionados aos problemas atuais, presentes na mídia (sociais, tecnológicos, econômicos, etc.);  subjetivos, os que envolvem o comportamento e o sentimento das pessoas.
TEMPO.
Não acelere o ritmo para acabar logo a redação nem demore demais para não perder tempo.
TEMPOS VERBAIS.
Procure tirar proveito da mudança dos tempos verbais, usando-os, por exemplo, para fazer generalizações.
O larápio não deixou de roubar após ter passado um bom tempo na prisão. Ora, por esse caso podemos ver que nem sempre a prisão recupera os criminosos.
TEORIA.
Se precisar provar a alguém, ou a você mesmo, uma teoria, use o raciocínio lógico e, se for o caso, hipotético.
Democracia verdadeira não existe sem educação. O indivíduo sem estudo é presa fácil do engodo, da retórica vazia, das promessas irrealizáveis. Imagine alguém que mal sabe escrever o nome ouvindo o discurso embolado de um de nossos políticos. Poderá julgar com clareza o que estão lhe dizendo, avaliando a proposta que melhor satisfaz aos seus interesses?
TERCEIROS.
Não utilize exemplos contando fatos ocorridos  com terceiros, que não sejam de domínio público.
TEXTO.
O fato que contou, em seu texto, é interessante?
Gostaria de ouvi-lo de outra pessoa?
Tenha sempre senso crítico.
Não utilize os termos “eu acho”, “penso”, “para mim”, etc. O texto já é sua opinião pessoal, não precisa enfatizar, ser repetitivo. Em vez de escrever “Eu acho a internet legal”, escreva: “A internet é legal”.
Não use expressões como “vou ir” e “de leve”, mas, sim, “irei” e “levemente”.
TÍTULO.
Evite o uso das aspas no título.
Pule uma ou duas linhas entre o título e o início do texto.
Evite iniciar a redação com as mesmas palavras do título.
Os títulos devem ser escritos de forma abreviada (resumida).
Não há pontuação após o título, a não ser que seja frase ou citação.
Coloque o título centralizado (no centro da folha), antes do início da redação.
É uma expressão, geralmente curta e sem verbo, colocada antes da dissertação.
Em títulos de redação, por questão de ênfase, usam-se iniciais maiúsculas:
Minhas Férias de Julho, Nossa Visita ao Frisuba.
Não coloque a palavra título antes do TÍTULO nem o termo FIM ao terminar a redação. O óbvio não precisa ser explicado.
“TRANSPIRAÇÃO”.
É a hora da montagem do texto, a escolha do que deve ficar e do que deve sair.
Após a seleção das idéias que serão usadas, ordene as frases, percebendo a diferença entre o principal e o secundário, hierarquizando  a seqüência de parágrafos de modo a tornar claro o seu texto.
TRAVESSÃO.
Na redação, o travessão tem a função dos parênteses ou das vírgulas usadas em dupla, sendo empregado para separar expressões intercaladas.
Pelé — o maior jogador de futebol de todos os tempos — hoje é um empresário bem-sucedido.
A sociedade precisa lutar por conquistas sociais - tão prometidas pelos governos, mas nunca concretizadas - a fim de ver reduzidas as diferenças entre pobres e ricos.
 U, V.
Faça-os com clareza e nitidez porque, caso contrário, o U ficará parecendo o V.
ÚLTIMO.
Evite escrever “último”, no sentido de “mais recente”.
UNIDADE
A redação deve ter unidade, por mais longa que seja. Trace uma linha coerente do começo ao final do texto. Não pode perder de vista essa trajetória. Muita atenção no que escreve para não fugir do assunto.
VERBO.
Evite o emprego de verbos auxiliares.
Faça a concordância correta dos tempos verbais.
Evite o uso de verbos genéricos, como “dar”, “fazer”, “ser” e “ter”.
Flexione corretamente os verbos quando for usar o gerúndio ou o particípio.
O verbo “fazer”, no sentido de tempo, não é usado no plural.
...











Anúncios – Qual o motivo destes anúncios?

NR10Reciclagem-Básico/SEP
Cursos On-line 100% via internet Temos também CIPA,Direção Defensiva
www.energiaon-line.com
Promoção Buenos Aires
Estude, Passeie e Divirta-se por R$1450. Parcele em 6x no Cartão.
www.GoToLondon.com.br
Fale Inglês Fluentemente
Aprenda a falar Inglês Fluente de forma rápida e segura. Confira!
www.UniversidadeDoIngles.com.br
Taboão atrás terminal C.L
02 e 03 dormits,lazer total cond.barato a partir de R$130.000,
www.crescersa.com.br
Lições de Inglês Grátis
Receba Lições de Inglês 100% Grátis e Comece a Falar como um Nativo!
Englishtown.com/Licoes_Gratis
administração condominio
uma empresa focada em oferecer o melhor para seu condominio!
www.troyhouseconsultoria.com.br
Equipamento p/ Construção
Fábrica de Equipamentos Duráveis e c/ Alta Qualidade. Saiba Mais Aqui!
www.colevatti.com
WA Condomínios
Solução Completa para Condominios. ABC e S.Paulo - Jurídico Próprio.
wacondominios.com.br/t.htm

Mais informações
Convite Casamento »

Convite Infantil »

Convite Formatura »

Modelo Convite »





6% utilizados
Usando  470 MB  de seus  7660 MB


©2011 Google - Termos e Privacidade



Última atividade da conta: 16 horas atrás
Detalhes




Informe as pessoas sobre o que você está fazendo ou compartilhe links para fotos, vídeos e páginas da web.


Excluir

























Mais



Todos





















Mais







Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes - Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes Paraná em Trovas Collection - 32 - Elidir D'

01:20







Carlos Leite Ribeiro


"MARINHA DE GUERRA PORTUGUESA". Trabalho e pesquisa de Henrique Lacerda Ramalho. Divulg... - http://www.caestamosnos.org/armada/marinha_armada.html Trabalho e pesquisa do Coronel do Exército



Notícias do Vermelho - Destaques da edição de hoje do Portal Vermelho Nosso E-mail Twitter Facebook Ajuda só aos bancos

17:01









Mais uma chance para você publicar - Caso não esteja visualizando, acesse aqui.  A Lih editorial inova mais uma vez e monta uma equipe

16:04







Booking.com


Descontos de tamanho familiar - Pesquise milhares de hotéis adequados para crianças Ver este e-mail como página de Internet. Booking.

20 dez







Lih editorial


Tenha um Agente Literário - Caso não esteja visualizando, acesse aqui.  Contrate a Agência Literária AgL Nossos clientes fizeram

20 dez







LinkedIn


Você conhece Estefano Ms, Leopoldo Gil Dulcio Vaz ou Ana Paula Ribeiro Ruas? - Melhor. Mais rápido. O novo aplicativo LinkedIn para celulares iPhone e Android. Marcas, Contribua

20 dez







LinkedIn Updates


Atualizações de rede do LinkedIn, 20/12/2011 - LinkedIn Atualizações de rede, 13 de dez - 20 de dez Atualizações em destaque Visualizar todas as

20 dez







JÔ Nogueira


FW: Enc: [Turma Tiradentes] ENC: De Roberto Carlos para Chico Xavier - Beijão Subject: Enc: [Turma Tiradentes] ENC: De Roberto Carlos para Chico Xavier To: - Estou

19 dez







JÔ Nogueira


FW: Feliz Natal - DESEJO A VOCÊ E TODOS SEUS FAMILIARES, TODAS FELICIDADES DO MUNDO! UM NATAL DE PLENA PAZ! UM ANO NOVO

19 dez







destaques


Notícias do Vermelho - Destaques da edição de hoje do Portal Vermelho Nosso E-mail Twitter Facebook Coreia do Norte Morre

19 dez







coep


Veja os ganhadores do Prêmio Betinho 2011

19 dez







Badoo


3 pessoas no Badoo estão esperando para conversar com você! - 3 pessoas no Badoo estão esperando para conversar com você! 3 pessoas estão lhe esperando para

19 dez







RENATO SOUZA


orkut - "A humildade pode não ser a maior, mas certamente é a mais bela de todas a... - Olá, mencionaram você em uma mensagem: de RENATO para Avєηŧurєirαs * Crøss*, DEUS GUARDE MEU TIO *

19 dez







Carlos Leite Ribeiro


"Nunca digas NUNCA..." Conto de Natal de Carlos Leite Ribeiro. Divulgação direta "Cá Es... - Conto de Natal "Nunca digas NUNCA..." - de Carlos Leite Ribeiro Foi há muito tempo. Naquele

19 dez







no-reply


Itinerario Azul - Sua compra foi realizada com sucesso! Seu código de reserva é FC8E7H Data da reserva: 19/12/2011

18 dez







no-reply


Itinerario Azul - Sua compra foi realizada com sucesso! Seu código de reserva é FC8E7H Data da reserva: 19/12/2011

18 dez







no-reply


Itinerario Azul - Sua compra foi realizada com sucesso! Seu código de reserva é FC8E7H Data da reserva: 19/12/2011

18 dez







Aparecido da Janete


orkut - deixou um novo scrap para você! - Olá, mencionaram você em uma mensagem: de Aparecido da para Neide Araujo, Kewen moraes, - Amαиdaáн -

18 dez







destaques


Notícias do Vermelho - Destaques da edição de hoje do Portal Vermelho Nosso E-mail Twitter Facebook Morre Cesária Évora

18 dez







Adobe Systems Incorporat.


Photoshop Album Starter Edition - If this message is not displaying properly, click here to launch your browser. Dear Aparecido

18 dez







orkut


orkut, 17/12/2011 - Atualizações de branca nascimento, Mãe Nena . e 17 outros amigos - orkut Olá, Marcas Estas são algumas atualizações dos seus amigos do orkut. Se não quiser receber

18 dez







Pavilhão Literário Cultu.


Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes - Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes Paraná em Trovas Collection - 31 - Mauricio

18 dez







Souza News


Fwd: FW: A ARTE DE ALMANDRADE É TEMA DE EXPOSIÇÃO NA CAIXA CULTURAL SP.doc - *Exposição: *A Arte de Almandrade *Visitação: *de 03 de dezembro de 2011 a 26 de fevereiro de 2012 *

17 dez







destaques


Notícias do Vermelho - Destaques da edição de hoje do Portal Vermelho Nosso E-mail Twitter Facebook Urariano Mota Uma

17 dez







lemefranco


trem - ==luizcarloslemefranco== Trem que vai e vem pelos campos do mundo. Trem que caminha pelos trilhos das

17 dez







RUTINHA


ENVIO AOS QUERIDOS AMIGOS NA BELISSIMA FORMATAÇÃO DE TÂNIA GIMOL - UMA SIMPLES MANJEDOU... - JESUS LUZ DO NOSSO CAMINHO SEMPRE. "UMA SIMPLES MANJEDOURA" Agradeço à minha querida amiga

17 dez







Pank! é bom demais


Tablet Foston M785 Top de Linha, LCD de 7" Android 2.2+ Design Slim + Touch + Câmera de... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

17 dez







Aparecidodonizetti Herna.


TENHAS UM NATAL DE PAZ - Aparecido Donizetti Hernandez ITÁPOLIS/Itapevi / SP Anjos do Senhor Os anjos do Senhor formam legiões

17 dez







HERNANDEZ


[GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL] NATAL DE PAZ..DIA INTERNACIONAL DA PAZ! - -- Postado por HERNANDEZ no GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL em 12/17/2011 06:47:00 AM

17 dez







Pavilhão Literário Cultu.


Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes - Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes Album de Recordações (AA de Assis e Luiz Otávio)

17 dez







no-reply@marcaspoeticas..


Redefinir senha - Marcas Po�ticas Instituto, Recebemos uma solicita��o para alterar sua senha em MARCAS PO�TICAS.

17 dez







Skype


Um presente da Skype para você: chamadas grátis para amigos e parentes -  www.skype.com Nome Skype: marcaspoeticas Problemas com a sua senha? Não consegue ver este e-mail

16 dez







destaques


Notícias do Vermelho - Destaques da edição de hoje do Portal Vermelho Nosso E-mail Twitter Facebook Chico Alencar: A

16 dez







Lih editorial


Inicie o ano publicando - Caso não esteja visualizando, acesse aqui.  A Lih editorial inova mais uma vez e monta uma equipe

16 dez







Pank! é bom demais


Praticidade na Sua Cozinha! Kit de Cozinha com 6 Peças da Eleshop com 4 Facas, 1 Tesour... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

16 dez







Booking.com


Hotéis pela metade do preço ou ainda menos - Ver este e-mail como página de Internet. Booking.com reservas de hotéis on-line Página Principal | QF

16 dez







RUTILENE MOSCARDO


Parabéns- Revista eisFluências de Dezembro de 2011 - Clique em mim! Recebi do meu grande amigo Carlos Lúcio Contijo e repasso com orgulho aos amigos, pois

16 dez







Pavilhão Literário Cultu.


Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes - Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes Paraná em Trovas Collection - 30 - Hildemar Cardoso

16 dez







Carlos Leite Ribeiro


Da RevistaZAP, de Elizabeth Misciasci: "Tudo sobre o Natal, sua história, Origens,Conto... - Querida Amiga (antiga Autora CEN), Elizabeth Misciasci (Bethita), Em nome pessoal e em nome do Portal

15 dez







Pank! é bom demais


Chega de Fios! Ouça Música com o Fone De Ouvido Estéreo Sem Fio (Headphone Wireless) da... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

15 dez







RUTINHA


AOS AMIGOS AGORA EM DUETO ERVIN FIGUEIREDO VEM EU TE QUERO E RUTHY NEVES EU TAMBÉM TE Q... -  VEM, TE QUERO... Vejo teu céu enegrecido, rasgado... Sombras que atormentam, sem sair, Vindas de

15 dez







Pavilhão Literário Cultu.


Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes - Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes Paraná em Trovas Collection - 29 - Hilda Koller (

15 dez







Hazel São Francisco


FW: FELIZ ADVENTO - NATAL - From: mahelen.madureira@hotmail.com Subject: FELIZ ADVENTO - NATAL Date: Tue, 13 Dec 2011 00:13:27 -

14 dez







Carlos Leite Ribeiro


"Mensagem Natalícia". Conto de Natal de Carlos Leite Ribeiro. Divulgação "Cá Estamos Nó... - Conto de Natal "Mensagem Natalícia" - Conto de Natal de Carlos Leite Ribeiro Naquela

14 dez







Antônio Carlos Dayrell


Poesia Para Parar o Tempo - Antônio Dayrell - http://poesiascrap.blogspot.com/ http://poesiaparapararotempo.blogspot.com/ -- POESIA PARA PARAR O

14 dez







destaques


Notícias do Vermelho - Destaques da edição de hoje do Portal Vermelho Nosso E-mail Twitter Facebook Cinema Santoro, Negrini

14 dez







MARCOLINO


ACOMPANHE O MANDATO 14/12/2011 - Luiz Claudio Marcolino Dep. Luiz Claudio Marcolino parabeniza presidenta Dilma Rousseff pelo seu

14 dez







Carlos Leite Ribeiro


CONVITE para colaboração da revista "MAGAZINE - CEN/Especial ANO NOVO - 2012. Divulgaçã... - Data limite para envio de trabalhos : 20 de Dezembro de 2012 CONVITE A Todos: Autores, Colaboradores,

14 dez







Simone Costa de  Carvalho


BEM VINDA - Simone Costa de Carvalho enviou uma mensagem para você em MARCAS POÉTICAS Assunto: BEM VINDA 

14 dez







Carlos Leite Ribeiro


"O Boneco de Trapos". Conto de Natal de Carlos Leite Ribeiro. Divulgação "Cá Estamos Nó... - Conto de Natal Este texto passou na Radiodifusão pela voz/ interpretação da locutora/ actriz, Sandra

14 dez







Pank! é bom demais


Coloque Fim na Queda de Cabelo! A Escova a Laser Power Grow Comb Deixa os Fios Fortes e... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

14 dez







Pavilhão Literário Cultu.


Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes - Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes Paraná em Trovas Collection - 28 - Sinclair Pozza

14 dez







JÔ Nogueira


FW: ENC: ROBERTO CARLOS EM JERUSALÉM - From: marisa_zanetta@hotmail.com Subject: FW: ENC: ROBERTO CARLOS EM JERUSALÉM Date: Sun, 11 Dec 2011

13 dez







destaques


Notícias do Vermelho - Destaques da edição de hoje do Portal Vermelho Nosso E-mail Twitter Facebook Luiz Cláudio Cunha

13 dez







partido dos trabalhadore.


FW: Plenária - Boa tarde, companheiros, segue convite: Saudações Petistas, Matilde. DM Itapevi Fone:(11) 4774-3345

13 dez







Marliza Scherer


FW: MENSAGEM DE FINAL DE ANO!!! - PARA TODOS OS AMIGOS COM TODO O MEU CARINHO, BEIJOS DO MEU PARA TODOS OS CORAÇÕES, MARLIZA

13 dez







Booking.com


Viagem a trabalho ou férias na cidade - Reserve o hotel perfeito e sinta-se em casa em 161 países Ver este e-mail como página de Internet.

13 dez







JÔ Nogueira


FW: Cacau Show - From: dr.heldenson_@hotmail.com To: fbk.lol@hotmail.com; ademir.amaral848@creasp.org.br; airton.

13 dez







RENATO SOUZA


orkut - [DEUS]"Passei tanto tempo te procurando, não sabia onde estavas. Olhava o ... - Olá, mencionaram você em uma mensagem: de RENATO para Avєηŧurєirαs * Crøss*, DEUS GUARDE MEU TIO *

13 dez







Pank! é bom demais


Elimine Peso Naturalmente e Entre Rapidamente em Forma! Óleo de Coco 60caps 100 mg + Ch... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

13 dez







Pavilhão Literário Cultu.


Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes - Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes Paraná em Trovas Collection - 27 - Áureo Baika (

13 dez







LinkedIn Updates


Atualizações de rede do LinkedIn, 13/12/2011 - LinkedIn Atualizações de rede, 6 de dez - 13 de dez Atualizações em destaque Visualizar todas as

12 dez







destaques


Notícias do Vermelho - Destaques da edição de hoje do Portal Vermelho Nosso E-mail Twitter Facebook Mídia "Privataria

12 dez







Carlos Leite Ribeiro


"ESCOLHA BEM O VINHO PARA A SUA FESTA DO NATAL" . Trabalho e Pesquisa de Carlos Leite R... - Magazine CEN ESCOLHA BEM O VINHO PARA A SUA FESTA DO NATAL Trabalho e pesquisa de Carlos Leite

12 dez







Pank! é bom demais


Kit Que Une A Praticidade do Aspirador de Pó Automotivo com a Rápida Eficiência da Toal... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

12 dez







Pavilhão Literário Cultu.


Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes - Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes Concurso de Trovas "O Voo da Gralha Azul"

12 dez







RUTINHA


DIAS VAZIOS - RUTHY NEVES - Clique em mim! Dias Vazios Ruthy Neves Tento dar razão para os meus dias. Levanto... agradeço por

11 dez







Carlos Leite Ribeiro


"Excursão ao Litoral do Brasil" Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro. Divulgação... - Trabalho de ficção, mas com a História e Geografia dos Estados Brasileiros, muito reais: Maçapá -

11 dez







destaques


Notícias do Vermelho - Destaques da edição de hoje do Portal Vermelho Nosso E-mail Twitter Facebook Plebiscito Com divisão,

11 dez







Carlos Leite Ribeiro


"MAGAZINE CEN - Especial Natal 5º e último BLOCO - POESIA". Divulgação direta "Cá Estam... - 5º e último Bloco de Poesia (não se aceita mais trabalhos) MAGAZINE CEN MAGAZINE CEN Especial Natal

11 dez







Pank! é bom demais


Seu cheiro no ar com as Fragrâncias inspiradas em Dolce e Gabbana, Gabriela Sabatini, C... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

11 dez







Pank! é bom demais


Oferta Incrível para as Meninas! Kit Imperdível da Victoria Secret s com 2 Cremes Hidra... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

11 dez







Carlos Leite Ribeiro


"MAGAZINE CEN - Especial Natal 3º e último BLOCO - MENSAGENS. Divulgação direta "Cá Est... - (Já não recebemos mais trabalhos) Podem ver todos os BLOCOS, no nosso Portal CEN - "Cá Estamos

11 dez







Facebook


Alteração da senha do Facebook - Olá Aparecido Donizetti, Você alterou recentemente sua senha do Facebook. Como precaução de segurança

11 dez







Facebook


Você solicitou uma nova senha do Facebook - Olá Aparecido Donizetti, Você solicitou recentemente a redefinição de sua senha do Facebook. Para

11 dez







Pavilhão Literário Cultu.


Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes - Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes Paraná em Trovas Collection - 25 - Harley Stocchero

11 dez







destaques


Notícias do Vermelho - Destaques da edição de hoje do Portal Vermelho Nosso E-mail Twitter Facebook Plebiscito Com divisão,

10 dez







Carlos Leite Ribeiro


"ELA ... é a MAIOR!" Texto de Carlos Leite Ribeiro. Divulgação direta "Cá Estamos Nós" ... - Ela ... É a MAIOR!!! ELA, é a MAIOR! - Texto de Carlos Leite Ribeiro Ela, é a Maior ... quando anda

10 dez







Pank! é bom demais


Seu cheiro no ar com as Fragrâncias inspiradas em Dolce e Gabbana, Gabriela Sabatini, C... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

10 dez







Pank! é bom demais


Sensacional e Elegante! Linda Câmera Digital Sony T99, 14.1MP, Zoom 4x, c/ 46%OFF, De R... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

10 dez







Pank! é bom demais


Gosta de Música? Aproveite o MP3 Shuffle Slim da Fratelli em Várias Cores à sua Escolha... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

10 dez







Pank! é bom demais


Oferta Incrível para as Meninas! Kit Imperdível da Victoria Secret s com 2 Cremes Hidra... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

10 dez







Pavilhão Literário Cultu.


Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes - Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes Trova 215 - José Lucas de Barros (Natal/RN) Fernando

10 dez







Carlos Leite Ribeiro


"Como o Mundo é Pequeno!" - texto de Carlos Leite Ribeiro. Divulgação "Cá Estamos Nós" ... - http://www.caestamosnos.org/Natal/magazine_especial_Natal.htm Neste link, está já muitos trabalhos

9 dez







RUTINHA


COM CARINHO AOS MEUS AMIGOS - SÓ AGRADECER - RUTHY NEVES - Só agradecer Não tenho mais nada a pedir para o Papai do Céu... O meu presente ELE já me deu. Foi no

9 dez







RUTINHA


COM CARINHO AOS MEUS AMIGOS - SÓ AGRADECER - RUTHY NEVES - Só agradecer Não tenho mais nada a pedir para o Papai do Céu... O meu presente ELE já me deu. Foi no

9 dez







destaques


Notícias do Vermelho - Destaques da edição de hoje do Portal Vermelho Nosso E-mail Twitter Facebook Tupac Amaru O canto da

9 dez







Scortecci 30 anos


Participe da 22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo - Scortecci Você está recebendo este boletim informativo porque seu e-mail está cadastrado em nosso

9 dez







JÔ Nogueira


FW: Patricia Pillar - agora com câncer nos ossos - MUITO IMPORTANTE !!!!

9 dez







Carlos Leite Ribeiro


"Ti-Manel" - conto de Natal de Carlos Leite Ribeiro. Divulgação direta "Cá Estamos Nós"... - Portal CEN - "Cá Estamos Nós" "Ti-Manel" - conto de Natal de Carlos Leite Ribeiro

9 dez







JÔ Nogueira


FW: Dicas ótimas! - BeiJÔ 1. Caminhe de 10 a 30 minutos todos os dias e sorria enquanto caminha ... 2. Ore na intimidade

9 dez







Igor Soares


orkut - Igor aprovou seu pedido de amizade - Olá, Marcas. Você fez amizade no orkut com Igor Soares! visualizar o perfil de Igor orkut opções de e

9 dez







Booking.com


Hotéis pela metade do preço ou ainda menos - Ver este e-mail como página de Internet. Booking.com reservas de hotéis on-line Página Principal | QF

9 dez







Zélia


Fw: [AssociacaoInternacionalPoetasdelMundo] UM REPELENTE QUE NÃO CAUSA NENHUM MALEFÍCIO - - Repelente dos Pescadores contra o aedes aegypti - uma gota no braço e perna ( receita caseira)

9 dez







Pank! é bom demais


Registre Todos os Seus Momentos! Câmera Digital 5.0MP, DC.566, da Multilaser c/ Visor L... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

9 dez







Pank! é bom demais


Gosta de Música? Aproveite o MP3 Shuffle Slim da Fratelli em Várias Cores à sua Escolha... - Adicione "no-reply@pankmail.com.br" aos seus endereços para receber sempre os e-mails do

9 dez







Hernandez Aparecido Doni.


LINK DO DESMATAMENTO - http://maps.google.com.br/maps?q=Rua+das+Ciriguelas,+Itapevi+-+S%C3%A3o+Paulo&hl=pt-BR&ie=

9 dez







FeedBurner Email Subscri.


Receba as atualizações do : Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes em seu e-mail - Prazer em tê-lo conosco, Receba um e-mail com as atualizações do Pavilhão Literário Cultural

9 dez







Carlos Leite Ribeiro


"MAGAZINE CEN - Especial Natal 2º BLOCO - MENSAGENS " Edição de Carlos Leite Ribeiro. D... - Podem ver os vários BLOCOS que já estão no ar, no nosso Portal CEN - "Cá Estamos Nós" www.

8 dez






>
<
Qual o motivo deste anúncio?
Apto ao Lado do Metrô - PDG.com.br/AltosDaVila - 2 e 3 Dorms 59 e 72 m². Venha Morar ao Lado da Estação Vila Sônia










Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes







Entrada

x

















Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes pavilhaoliterario@gmail.com por  google.com

01:21 (2 horas atrás)






para mim




Imagens não exibidas Exibir imagens abaixo - Sempre exibir imagens de pavilhaoliterario@gmail.com





Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes


Paraná em Trovas Collection - 32 - Elidir D'Oliveira (Ivatuba/PR)
Adélia Prado (Cantiga dos Pastores)
Ademar Macedo (Mensagens Poéticas de Natal n. 431)
Adélia Prado (Poesias Avulsas)
VIII Concurso de Trovas da UBT-Maranguape - 2012 (Regulamento)
Eliana Ruiz Jimenez (Tarde no Molhe)
J. B. Donadon-Leal (Tapete)
Jeanette Monteiro De Cnop (Tecelã de Textos)
Guerra Junqueiro (O Rico e o Pobre)
Ademar Macedo (Mensagens Poéticas de Natal n. 430)
Conto Popular Árabe (História da Donzela de Pau)
Júlia Cortines Laxe (Poesias Escolhidas)
Júlia Cortines Laxe (1868-1948)
Adélia Prado (Cacos para um Vitral)
Ademar Macedo (Mensagens Poéticas de Natal n. 429)
Monteiro Lobato (Reinações de Narizinho) Cara De Coruja – IV - O Pequeno Polegar
José Carlos Dutra do Carmo (Manual de Técnicas de Redação) Parte XVIII


Paraná em Trovas Collection - 32 - Elidir D'Oliveira (Ivatuba/PR)
Posted: 20 Dec 2011 05:51 PM PST



Adélia Prado (Cantiga dos Pastores)
Posted: 20 Dec 2011 05:49 PM PST

À meia noite no pasto,
guardando nossas vaquinhas,
um grande clarão no céu
guiou-nos a esta lapinha.
Achamos este Menino
entre Maria e José,
um menino tão formoso,
precisa dizer quem é?
Seu nome santo é Jesus,
Filho de Deus muito amado,
em sua caminha de cocho
dormia bem sossegado.
Adoramos o Menino
nascido em tanta pobreza
e lhe oferecemos presentes
de nossa pobre riqueza:
a nossa manta de pele,
o nosso gorro de lã,
nossa faquinha amolada,
o nosso chá de hortelã.
Os anjos cantavam hinos
cheios de vivas e améns.
A alegria era tão grande
e nós cantamos também:
Que noite bonita é esta
em que a vida fica mansa,
em que tudo vira festa
e o mundo inteiro descansa?
Esta é uma noite encantada,
nunca assim aconteceu,
os galos todos saudando:
O Menino Jesus nasceu!



Ademar Macedo (Mensagens Poéticas de Natal n. 431)
Posted: 20 Dec 2011 05:42 PM PST

Uma Trova Nacional
Cristo Deus feito criança,
que a sublime estrela tua
encha de luz de esperança
os moradores de rua.
–GERALDO AMÂNCIO/CE–
Uma Trova Potiguar
É Natal, noite feliz,
na capela bate o sino,
e o coro alegre assim diz:
– nasceu Jesus, Deus menino.
–UBIRATAN QUEIROZ/RN–
Uma Trova Premiada
2002 - Garibaldi/RS
Tema: “NATAL” - M/H
Vencendo o tempo e a distância
num clima de eternidade,
os Natais de minha infância
permanecem na saudade.
–IVO DOS SANTOS CASTRO/RJ–
Uma Trova de Ademar
Noel quase nunca vem
visitar nossas favelas,
pois lá, crianças não têm
nem sapatos, nem janelas...
–ADEMAR MACEDO/RN–
...E Suas Trovas Ficaram
É Natal! Lá na favela,
no seu barraco sombrio,
ele encontrou na janela
o tamanquinho vazio!...
–CAROLINA A. DE CASTRO/PE–
Simplesmente Poesia
Jesús El Salvador.
–LIBIA BEATRIZ CARCIOFETTI–ARGENTINA
Navidad es todo el año
si predicamos amor.
Al conocido, al extraño
que JESÚS es el Salvador.
Es él que vino a traernos
paz a nuestro corazón,
olvidando los infiernos
que nos causan desazón.
Que nuestras voces unamos
en canto de adoración
pues hacia el cielo marchamos
busquemos su aprobación.
Estrofe do Dia
Eu só vou ter alegria
nessa festa de Natal,
havendo a paz mundial
em cada raiar do dia;
peço pela primazia
reforçando o meu pedido,
pra que ele seja atendido
vamos todos dar as mãos,
na ceia dos meus irmãos,
quero cristo renascido.
–MARCOS MEDEIROS/RN–
Soneto do Dia
Prece de Natal.
–OLGA DIAS FERREIRA/RS–
Ouço bem longe, doces tons divinos,
a penetrar-me a alma com fulgor,
diviso sons, suaves,  cristalinos,
a propagar  a vinda do Senhor.
Pobres pastores, rumam campesinos,
na atmosfera de cadeia em flor,
escutam forte badalar de sinos,
em grandes festas para o Salvador.
Os três Reis Magos, com prazer intenso,
transportam joias, o mais raro incenso,
com vestes santas, para um festival...
Brilhando o sol, com o raiar mais denso,
formulo prece, com amor imenso:
bendito sejas, Pai, neste Natal!!!

Fonte:
Textos enviados pelo Autor


Adélia Prado (Poesias Avulsas)
Posted: 20 Dec 2011 05:38 PM PST

IMPRESSIONISTA
Uma ocasião,
meu pai pintou a casa toda
de alaranjado brilhante.
Por muito tempo moramos numa casa,
como ele mesmo dizia,
constantemente amanhecendo.
CASAMENTO
Há mulheres que dizem:
Meu marido, se quiser pescar, pesque,
mas que limpe os peixes.
Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,
ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.
É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,
de vez em quando os cotovelos se esbarram,
ele fala coisas como "este foi difícil"
"prateou no ar dando rabanadas"
e faz o gesto com a mão.
O silêncio de quando nos vimos a primeira vez
atravessa a cozinha como um rio profundo.
Por fim, os peixes na travessa,
vamos dormir.
Coisas prateadas espocam:
somos noivo e noiva.
ENSINAMENTO
Minha mãe achava estudo
a coisa mais fina do mundo.
Não é.
A coisa mais fina do mundo é o sentimento.
Aquele dia de noite, o pai fazendo serão,
ela falou comigo:
"Coitado, até essa hora no serviço pesado".
Arrumou pão e café , deixou tacho no fogo com água quente.
Não me falou em amor.
Essa palavra de luxo.
EXPLICAÇÃO DE POESIA SEM NINGUÉM PEDIR
Um trem-de-ferro é uma coisa mecânica,
mas atravessa a noite, a madrugada, o dia,
atravessou minha vida,
virou só sentimento.
(in Bagagem)
A SERENATA
Uma noite de lua pálida e gerânios
ele viria com boca e mão incríveis
tocar flauta no jardim.
Estou no começo do meu desespero
e só vejo dois caminhos:
ou viro doida ou santa.
Eu que rejeito e exprobo
o que não for natural como sangue e veias
descubro que estou chorando todo dia,
os cabelos entristecidos,
a pele assaltada de indecisão.
Quando ele vier, porque é certo que ele vem,
de que modo vou chegar ao balcão sem juventude?
A lua, os gerânios e ele serão os mesmos
- só a mulher entre as coisas envelhece.
De que modo vou abrir a janela, se não for doida?
Como a fecharei, se não for santa?
COM LICENÇA POÉTICA
Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta,
anunciou: vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem, sem precisar mentir.
Não sou feia que não possa me casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza
e ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos - dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria, sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.
DONA DOIDA
Uma vez, quando eu era menina,
choveu grosso, com trovoada e clarões,
exatamente como chove agora.
Quando se pôde abrir as janelas,
as poças tremiam com os últimos pingos.
Minha mãe, como quem sabe que vai escrever um poema,
decidiu inspirada: chuchu novinho, angu, molho de ovos.
Fui buscar os chuchus e estou voltando agora,
trinta anos depois. Não encontrei minha mãe.
A mulher que me abriu a porta, riu de dona tão velha,
com sombrinha infantil e coxas à mostra.
Meus filhos me repudiaram envergonhados,
meu marido ficou triste até a morte,
eu fiquei doida no encalço.
Só melhoro quando chove.
CORRIDINHO
O amor quer abraçar e não pode.
A multidão em volta,
com seus olhos cediços,
põe caco de vidro no muro
para o amor desistir.
O amor usa o correio,
o correio trapaceia,
a carta não chega,
o amor fica sem saber se é ou não é.
O amor pega o cavalo,
desembarca do trem,
chega na porta cansado
de tanto caminhar a pé.
Fala a palavra açucena,
pede água, bebe café,
dorme na sua presença,
chupa bala de hortelã.
Tudo manha, truque, engenho:
é descuidar, o amor te pega,
te come, te molha todo.
Mas água o amor não é.
DOLORES
Hoje me deu tristeza,
sofri três tipos de medo
acrescido do fato irreversível:
não sou mais jovem.
Discuti política, feminismo,
a pertinência da reforma penal,
mas ao fim dos assuntos
tirava do bolso meu caquinho de espelho
e enchia os olhos de lágrimas:
não sou mais jovem.
As ciências não me deram socorro,
não tenho por definitivo consolo
o respeito dos moços.
Fui no Livro Sagrado
buscar perdão pra minha carne soberba
e lá estava escrito:
"Foi pela fé que também Sara, apesar da idade avançada,
se tornou capaz de ter uma descendência..."
Se alguém me fixasse, insisti ainda,
num quadro, numa poesia...
e fossem objetos de beleza os meus músculos frouxos...
Mas não quero. Exijo a sorte comum das mulheres nos tanques,
das que jamais verão seu nome impresso e no entanto
sustentam os pilares do mundo, porque mesmo viúvas dignas
não recusam casamento, antes acham sexo agradável,
condição para a normal alegria de amarrar uma tira no cabelo
e varrer a casa de manhã.
Uma tal esperança imploro a Deus.
MOÇA NA SUA CAMA
Papai tosse, dando aviso de si,
vem examinar as tramelas, uma a uma.
A cumeeira da casa é de peroba do campo,
posso dormir sossegada. Mamãe vem me cobrir,
tomo a bênção e fujo atrás dos homens,
me contendo por usura, fazendo render o bom.
Se me tocar, desencadeio as chusmas,
os peixinhos cardumes.
Os topázios me ardem onde mamãe sabe,
por isso ela me diz com ciúmes:
dorme logo, que é tarde.
Sim, mamãe, já vou:
passear na praça em ninguém me ralhar.
Adeus, que me cuido, vou campear nos becos,
moa de moços no bar, violão e olhos
difíceis de sair de mim.
Quando esta nossa cidade ressonar em neblina,
os moços marianos vão me esperar na matriz.
O céu é aqui, mamãe.
Que bom não ser livro inspirado
o catecismo da doutrina cristã,
posso adiar meus escrúpulos
e cavalgar no torpor
dos monsenhores podados.
Posso sofrer amanhã
a linda nódoa de vinho
das flores murchas no chão.
As fábricas têm os seus pátios,
os muros tem seu atrás.
No quartel são gentis comigo.
Não quero chá, minha mãe,
quero a mão do frei Crisóstomo
me ungindo com óleo santo.
Da vida quero a paixão.
E quero escravos, sou lassa.
Com amor de zanga e momo
quero minha cama de catre,
o santo anjo do Senhor,
meu zeloso guardador.
Mas descansa, que ele é eunuco, mamãe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário