sexta-feira, 11 de maio de 2012

PIEDADE, MINHA MÃE!

PIEDADE, MINHA MÃE!
Aparecido Donizetti Hernandez
11-maio- 2012 – 11h56



Sabes que lhe amo, estamos sempre em contradições!
Muitas vezes não a compreendo,
tu muito menos compreendes meus desígnios.
Cada qual vem a essa vida
pra cumprir uma tarefa uma missão.

Nem todos as cumprem, apegam-se a bens materiais.
Apego que não lhe ajudam a evoluir e não contribuem para
a evolução Humana.
Todos sofrem nesse frágil corpo!
Corpo perfeito feito para funcionar sem dores,
Com prazo de validade nesse tempo de sofrimentos.

O Senhor nos deu o livre arbítrio, nos colocou em vossos braços.
Vivo chegamos, não devíamos estar em vossos braços
em um corpo sem vida, com hematomas e feridas.
Cada qual com seus desígnios, em vossos braços com vida,
Juntos na eternidade estaremos nas muitas moradas do nosso Senhor.


3 comentários:

  1. Postagem muito oportuna, para este mês, para esses dias, quando as mães, parece, são mais lembradas...
    O texto é belíssimo, tocante ao coração!

    um abraço,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  2. Hernandes meu querido amigo muito sensivel e sincero , o seu poema é realmente uma linda mensagem de amor Parabéns.
    Grande abraço Dora Dimolitsas

    ResponderExcluir
  3. Filho esse poema é MARAVILHOSO, tão profundo e intenso com a sensibilidade de alma que você tem. Te amamos muuuuiiito, não se esqueça disso. Meire, Zeli e mãe Rosalina.

    ResponderExcluir