terça-feira, 25 de maio de 2010

NOITE DE OUTONO

Noite de outono
Delasnieve Daspet


.
Fria tarde...
O outono se faz sentir
Na tristeza do céu acinzentado,
No gemer das árvores,
Cujos galhos se curvam pelo vento,
E deixam, tristemente, pelo chão,
Um tapete de folhas murchas...
.
Escurece, agora.
Uma noite sem estrelas.
Uma vez mais o vento forte
Agita os galhos que projetam sombras,
Vultos esvoaçantes,
Aterradores, na noite escura.
.
Só, fraca, impotente
Frente a força dos sentimentos.
Dominada por angustiosa emoção...
Dor que não se contenta com a posse,
Necessita de compreensão e retribuição.
DD_Campo Grande-MS, 19.05.10

Nenhum comentário:

Postar um comentário