quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

PERDERAM-SE AS TRADIÇÕES


Perderam-se as tradições

Numa mistura de gerações,
poucas tradições nos comandavam.
Para os homens eram as melhores situações.
Nós mulheres éramos castradas nas vontades
 que se avolumavam.
 
Éramos filhas do vento...
que não trazia satisfações.
A alegria permanecia nas danças,
que aprendíamos liberando emoções.
O eleito escolhido desde a infância...
morava ao lado, mas era desconhecido.
Não pertencia ao meio, culpa da mistura...
Que ora libertava, ora prendia... coração perdido.
Fiz tudo para preservar...
os princípios aprendidos,
 mesmo quando os antigos se foram.
Porém, fora do meio...
tradições nesta geração se perderam.
 
Vendo na mídia tanta atrocidade no meio familiar...
até sinto saudades da criação imposta.
O respeito a tudo nos era peculiar.
Hoje as pessoas choram sem entender,
 e sem resposta.
É como querer segurar o vento...
aprender a controlar a liberdade.
Só com posturas firmes e fortes...
do nascimento a mocidade.
Só assim corre-se livre e solto...
Sabendo os desvios e as diferenças.
Os filhos são bons aprendizes...
se os adultos conduzirem com firmeza
 e amor suas crianças.
Respeito não é tradição, é educação.
Ama também quem diz não.
É só ensinar sem preguiça...
e se fazer entender sem discussão.
Ainda tenho o olhar dos meus antepassados...
nesta controvérsia questão.
A hierarquia tem que ser respeitada.
É o que se ensina aos descendentes
 para não se ter maceração.
Vejo o quanto eles tinham razão.
Criando-nos respeitando com amor...
tudo o que se passava de geração a geração.
Porém, a vida foi corrompida,  e perderam-se as tradições.
 
Ruthy Neves

Violinos Mágicos- A lenda do beijo   
Formatação- Ruthy Neves
art by Ruthy Neves

Nenhum comentário:

Postar um comentário