quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A NOIVA - Folclore

[...]  Em São Paulo existe um jogo cênico – “A Noiva” – popular principalmente entre meninas – que mostra dificuldades que aparecem quando se procura determinar as fontes mediatas de nosso folclore, relativamente ao folclore de Portugal e da Espanha, e a vantagem do uso daquela expressão neutra e valiosa como instrumento de trabalho. Esse jogo cênico é fragmento de um dos “romances velhos” mais conhecidos do folclore ibérico, e entre nós está, atualmente, suficientemente truncado para ainda conservar sentido leigo. Ei-lo, tal como o recolhi no Bom Retiro (personagens: o noivo e a noiva). [...]



Florestan Fernandes: Folclore e mudança social na cidade de São Paulo – 1979.


O noivo - Ia andando por um caminho
Uma sobra me acompanhou,
Tanto mais me retirava,
Ela vinha ao pé de mim,
Tanto mais me retirava,
Ela vinha ao pé de mim.

A noiva - Não te assuste, meu senhor,
Não se assuste tanto assim,
Porque eu sou a sua noiva
Que há sete anos o não via.

O noivo - Minha noiva já não existe
Minha noiva já morreu,
O caixão que ela levava
Era de ouro e marfim;
O vestido que ela vestia
Era todo de cetim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário