domingo, 18 de julho de 2010

UM DIA SEM FIM!

Um dia sem fim!
Delasnieve Daspet



Finalmente o silêncio...
Andei até a janela,
Deixei que a cabeça pendesse contra a vidraça,
O tempo se fazia extremamente curto...

Fitava a imensidão que se descortinava,
Do olhar se desprendia tanta saudade...
Tempo de partida, de adeus...

De novo nos veremos onde as
Perfeitas alegrias se encontram...
Falo de eternidade,
Do espaço entre as existências!

O por de sol e a estrela da noite
Chamam por mim...
Como é triste e solitário ter tudo e nada ter...

Quão lentamente os dias transcorrem,
Lua e noite – ambas,
Serão um dia sem fim!
DD_19.01.10 – Campo Grande – MS

Nenhum comentário:

Postar um comentário